All You Need is Love

25 de jul de 2014

Pensei muito em não fazer esse post, mas quer saber? Não vou enganar ninguém. Quem acompanha minha vida (pública) no facebook e twitter (principalmente) sabe que venho reclamando bastante. É eu sei, não sou assim. Sempre tou animada, cheia de energia, cheia de garra e desbravando essa cidade como ninguém. Mas isso não tem acontecido muito nos últimos tempos.

Não sei quando isso começou a acontecer. Eu pensei que fosse minha ida à Londres, mas na real antes eu já estava assim. Sabe? Antes de ir pra Londres eu já tava meio pirada. Tipo, não conseguia curtir mais os lugares porque tava pensando em post. Saía com amigas e tava mais preocupada em tirar foto e chegar em casa e baixar tudo e fazer post. Muitos posts na real, não só para o blog, mas guest posts, essa gana incontrolável de ganhar o Brasil. Houve uns meses que não tive descanso um final de semana sequer. Foi fueda, engordei horrores porque só comia empanada, me olhava no espelho e chorava. E daí odiava sair.

Muitos e-mails do blog para responder, inbox na fan page, direct no twitter, mentions no twitter, publicações na fan page no Facebook, inbox no meu facebook pessoal, enfim, zilhões de maneiras de responder a cada uma das pessoas que seguem o blog. Ah, Instagram e comentários do blog eu me esqueci, mas contem aí também. Fui ficando chata, sabe quando falam que argentina é frescurenta e histérica? Tava igual, nem aproveitar um cafecito direito eu conseguia, gente que horror.

Com um trabalho fixo e um blog que é feito por mim, somente, eu fui ficando sem vida. Sem tempo de fazer unha, sem tempo de limpar a casa. Ok, sempre tá a possibilidade de pagar uma faxineira, mas blog não dá dinheiro. Eu ganho - nada suficiente - para viver com os banners que tenho, e eles tão aqui porque amo de verdade o serviço de cada um. Ganho mais jantares, saídinhas, paga minha vida social, mas sempre em troca de um post e mais trabalho. Cansa.

E ah, sempre tem aquele post que você passa uma tarde inteira do teu sábado trancada em casa fazendo, quando coloca no ar: "Oi Amanda, faz um post de tal coisa?". Ai gente, curte primeiro o que eu demorei para fazer. Sem falar que se você demora uma semana para responder um e-mail que tem todas as dúvidas respondidas em posts no blog, você é taxada de chata. Uma até me falou uma vez que estava decepcionada comigo porque eu não respondia, outra que com tão pouco comentário que eu tinha que eu deveria responder na hora as leitoras. Sei que não é a maioria, mas me desgasta muito, fico sem energia para essas coisas, e eu ainda não sei separar. Juro.

Enfim, quando fui à Londres, desliguei de tudo. Compartilhei coisas legais da viagem a medida que ia saindo mas não fiz disso a base da minha viagem. E me diverti horrores. Conheci gente, fui pra lugares sem levar câmera (que coisa). E voltei a ser feliz. Aham. Depois fui para o Rio, a trabalho, acordando todos os dias as 4h da matina, viajando todos os dias pra chegar na empresa e voltando pro hotel às 21h da noite. Outra época corrida, mas tava tão legal. Conhecendo gente, sem aquela obrigação boba de produção de conteúdo e coisas legais para chamar atenção do pessoal no facebook. Tão legal que conheci uns caras legais até, quase namorei. Enfim.

Cheguei em Buenos e consequentemente senti a pressão (que confesso não sei de onde vem) de fazer tudo de novo. E voltei a ser chata - de novo. E hoje, ok to sensível, mas choro quando as pessoas são mal educadas comigo. Eu não vivo do blog, mas ninguém tá nem aí.

Parei de pensar em mim, e resultado: agora não consigo produzir posts legais pras leitoras queridas que sempre tão por aqui. Me sinto mal com essa história toda, mas a real é que BUE não tem ajudado tampouco. Ap sem gás, morando de favor em amigas, pulando de galho em galho, frio desnecessário (nunca reclamei disso e agora to) e ainda tenho que ouvir cada coisa que olha, poxa vida.

Tudo isso pra dizer que acho que fazendo esse post vocês vão me compreender melhor se demoro para responder e-mails, se não produzo o post que você quer, e se respondo um e-mail com um link que é pra você ver que tem a resposta no post. Eu tenho isso aqui de graça, tem mais de 550 posts disponíveis, só ler.

E aqui é quando um blog feito com carinho e amor, se torna uma obrigação e daí perde a graça. Hoje vou sair com meus amigos e não vou levar câmera. Vou passar a escrever sobre o que tem me feito bem ultimamente no Amanda Mormito. E daí quando eu me desligar dessa obrigação tola de agradar todo mundo eu volto pra cá. Sem obrigação e com fotos de celular, talvez. Menos posts, mais vida, mais fotos com amigos, mais diversão, pfv. Mais amor.

6 Cheesecakes para 6 Momentos em BUE

21 de jul de 2014

Quem acompanha no Instagram sabe que eu ganhei da Scarlett uma caixa com degustação de cheesecakes um mês atrás. Eles não me pediram post em troca, mas a sorte é que eu já curtia eles antes (tem até post no blog, veja aqui). Com novos sabores e calorias a mais, quero apresentar pra vocês eles de uma maneira mais divertida.

BROWNIE -  pra quando o boy desaparece
Vamos começar pelo pior. Saiu com um bofe lindo, ia tudo bem até que ele disse que no Brasil se fala brasileiro. Você deixa passar, vai tudo ok, sai com ele, e ele desaparece do nada, sem motivo aparente. Essa base de brownie úmido, doce de leite e glace italiano DOCE PRA CARAMBA vai te acompanhar para ver um filme, de preferencia romântico, de preferencia Medianeras.

CHOCOCHEESECAKE: para uma tarde cazamiga
Base de biscoito de chocolate, cheesecake com chocotorta e mais biscoitos, cobertos com chocolate. Doce típico para levar na casa da amiga e bater papo falando bem - ou mal - de argentino.


20 Diferenças entre Brasileiros e Argentinos

18 de jul de 2014

Eu vivo comentando sobre causos de azaração, se vocês não leu acompanha a tag aqui. Enfim, resolvi explicar ponto por ponto em que diferem os meninos em 20 tópicos, tem muito mais, EU SEI, mas não podemos passar o dia inteiro listando, né? Lá vai:

#1 CIGARRO
Argentino fuma muito mais que brasileiro, isso é fato. Não é legal, acho que em nenhuma nacionalidade, chegar mais para um chamego e ficar cheirando cigarro. Tem gente que não se importa e isso é relativo. Mas se vai sair com um argento, 70% de chances de que ele fume. Isso envolve também no trabalho, a cada meia hora eles descem para fumar, ou saem do restaurante para fumar, ou saem do bar para fumar (ou querem sentar do lado de fora do local para poder fumar e por aí vai).

#2 SAFADEZA
Isso não preciso nem comentar, brasileiro é em um geral mais safado mesmo - alo Carnaval - argentino é mais lento (na minha opinião muito mais, mas não quero criar confusão haha). Só que tem uns
argentinos chatinhos que acham que podem chegar chegando porque você é brasileira, fique esperta com esse tipo. Já comentei que eles acham que a gente tem muita "brasilidade", COMO SE TODAS fossemos Beyoncé né?

#3 RESPEITO
Quando perguntei, geral comentou que argentino tem mais respeito. Acho que isso está - diretamente - relacionado com safadeza. Brasileiro curte apressar as coisas, argentino como é mais lento, respeita mais.
Brasileiro é também direto, no sentido de: se gosta, gosta. Se não gosta, cai fora. Tem uns que preferem ver logo de cara se na cama rola para poder continuar ou não. Como argentino curte um draminha, e adora essa coisa pré-ficar, eles passam a impressão de que respeitam mais.

#4 MATURIDADE
Teve uma chica que comentou que argentino é homem com 20 anos e o brasileiro com 40. Esse tópico, na minha opinião, é bem relativo. Eu conheci argentinos de 27 que pareciam ter 15 de tanto chilique que faziam para determinadas coisas, e eu acho brasileiro mais decidido. Isso é super relativo porque argentino vai morar sozinho cedo, os meninos aqui com 20 e poucos anos já saem da casa dos pais para isso, coisa que NÃO acontece com brasileiro. Conheço vários rapazes de 30 anos que moram com os pais ainda, e isso é criação, é a cultura, ok? Portanto, eu acho que argentino aparenta SÓ ser mais maduro por isso, mas todos eles são um pouco histéricos. E convenhamos que nós crescemos mais rápido que os chicos. 

#5 ROMANTISMO
Geralmente, argentino é mais romântico e isso vem ligado ao dramatismo que eles têm arraigado e pela cultura bem européia que é proveniente de família. Quando cheguei aqui via com mais frequência  meninos levando rosas para meninas, hoje não muito, mas não duvido que ainda exista. Note que romantismo é diferente, poucas pessoas tem carro e eles não vão te buscar em casa para o encontro, normalmente vocês combinam de se encontrar em tal lado. Mas eles pagam a conta e tomam vinho, é bem fofo. Diferente de ALGUNS brasileiros, que curtem se mostrar (e preciso falar que meus dois últimos dates - brasileiros - eu dividi a conta, não é algo que eu me importe muito, mas cavalheirismo pra que?) e passam com carrão, e falam de dinheiro e etc. Ah, observação: para mim, os meninos do sul são os mais românticos do Brasil. Duvida? Vai pra lá.

#6 PERFUME & HIGIENE
Sem dúvida e pra maioria, brasileiro é mais cheiroso e limpinho e perfumado. Aham, sempre tem exceção gente! Mas essa é a estatística. 

#7 ROUPAS
Argentino se veste MIL VEZES MELHOR que brasileiro. Não preciso repetir que temos casos raros, mas só o cachecol do porteño no inverno, ou o casacão é um charme a mais que deixa qualquer chica mais encantada.

#8 CONVERSA
Argentino ama ficar falando falando falando, eles são melhor de lábia. Mas tem uma hora que cansa, e eles te beijam lá pelo fim da noite. Mesmo em uma balada, ok? Já o brasileiro é mais esperto, pega rápido. Para mim, o mais difícil de achar em um brasileiro é aquele papo legal e inteligente, mas há, sou prova disso. Argentino é mais culto, por isso a maior facilidade em conversas cabeça. 

#9 PÓS FICADA
Olha, já vi muitas meninas reclamando que argentino some e depois de uns 2 meses vem atrás de novo como se nada tivesse acontecido. Acho que isso rola com brasileiro também e é um mal geral. Comigo, pessoalmente, aconteceu mais com argentino que com brasileiro.



#10 BELEZA
Argentino tem carinha mais linda, é difícil achar um argento muito feio, o corpo é meio magro e argentinos são miudinhos (não é regra). Brasileiro tem mais corpo, é mais forte, mas nem sempre são maraaaaaa. Um detalhe: sempre que um argentino olha para mim eu reparo nas pernas - normalmente - são tão miudinhas que sinto que tenho carne demais HAHAHAHA.

#11 INICIATIVA
O brasileiro precisa dar um pouco pro argentino.


#12 VAIDADE
Depende da cultura. Para o brasileiro, ser bonito é ser forte, frequentar academia, estar cheiroso, cabelo arrumado. Para o argentino é padrão ser magro, ter cabelo bagunçado, uma roupa descolada. Vai muito do que tu curte.


Free Shops de Ezeiza e Aeroparque

16 de jul de 2014

Os dois dutty free de Buenos são bons e como todo mundo ama uma comprinha, anotei algumas coisas, nas minhas viagens recentes, para poder responder porque sempre me perguntam por aqui:

AEROPARQUE
Com o aumento dos turistas o free do Aeroparque melhorou bastante e dá para comprar bastante coisinha. Não chega aos pés do de Ezeiza, mas mesmo assim é melhor que o de GRU por exemplo (exceto o do Terminal 3 que está um arraso, mas não recebe voos provenientes de BUE por enquanto). A loja de chegada é bem fuleira, não tem muita coisa, por isso se quiser comprar vai mais cedo para o aero quando for embora.

EZEIZA
Para quem se interessa realmente em fazer compras o aero de Ezeiza arrasa nisso, claro que é o defeito é que fica longe da cidade e voce acaba gastando mais em táxi, mas vale a pena se quiser gastar uma graninha por lá. É enorme, tem muitas lojas, tem muita coisa e tem que ir com calma. De novo, a loja de entrada não é legal como a de saída. Por isso, melhor ir mais cedo para o aero no dia da volta ao Brasil.

Pontos importantes:
- O dutty free funciona 24h. Não fecha nunca e independente do teu horário de saída ou chegada sempre vai dar para comprar.
- Aceitam dólar, peso, real, euro. SÓ QUE o troco sempre vai ser em pesos argentinos. Não  adianta implorar, se você deu real/ euro/ dólar vai receber peso de troco se houver.
- O valor da moeda é calculado no dia, então melhor coisa para ter uma ideia é perguntar ao pessoal lá na hora qual a cotação.
- Cartões são aceitos, claro, mas como a compra é internacional não dá para parcelar.
- Dá para reservar produtos antes, só ver no site.
- Limite de compras: eu não sei, tem que ver no site da Receita Federal do Brasil. Se informem porque sei de gente que pagou quando chegou no BR por levar muita coisa (mas muita coisa é tipo caixas e caixas de bebidas, kg de doce de leite, compras "normais" não tem problema).

Sites de utilidade pública
- Dutty Free: aqui você vai poder saber quais marcas são vendidas, o preço dos produtos/ www.freeshop.com.ar.
- Dutty Free Shop: no caso de você querer reservar as coisinhas antes de viajar/ www.ecommerce.freeshop.com.ar.
- Aeropuertos 2000: para ter maiores informações sobre os aeros de Buenos Aires e da Argentina num geral/ www.aa2000.com.ar.

Outras informações e consultas:
Telefone de contato Brasil: 0800 72 38 379 (de segunda à sábado das 7h às 19h) .
Telefone de contato Argentina: 0800 333 9460 (de segunda à sexta das 9h às 17h30).
E-mail: 0800@freeshop.com.ar.
www.facebook.com/DutyFreeShop

Yo te Digo que se Siente

13 de jul de 2014

Acordei hoje cedo e me deparei logo que liguei o computador com uma publicação no Twitter do Guga Chacra (comentarista internacional do Estadão e do Globo News) que dizia:

"Governo argentino teme queda no turismo em Buenos Aires porque muitos brasileiros têm vergonha de ir à Argentina e serem zoados".

Prometi para mim mesma que não traria esse assunto ao blog porque ainda que o mesmo seja segmentado e não seja lido por um mar de gente, o que eu falo é levado em consideração para muitas pessoas. Mas diante disso eu resolvi emitir MINHA opinião baseado NO QUE EU vivi (e vivo) na cidade durante 3 copas aqui.


Quando criança eu realmente não me importava para futebol, nem quando Brasil perdeu para a França eu me importei muito. Peguei minhas bonecas e fui brincar e tentar animar o clima de funeral que havia no churrasco na casa dos meus tios. Sabia que aquilo não era comum e, sim, tinha flashes da Copa de 94 quando minha mãe, grávida da minha irmã até então, se ajoelhou na frente da TV da casa da minha avó com a Nossa Senhora Aparecida em mãos e vibrou tanto com a vitória que eu achei que a Heloisa iria nascer antes.

Enfim, eu não fui criada em um ambiente no qual se odiava o futebol argentino. Não fui mesmo, aliás eu não me importava quando eles jogavam e não me lembro na minha família de alguém torcendo contra.
Logo no primeiro ano aqui, aconteceu a Copa de 2006 na Alemanha, Brasil era a principal promessa por ter levado a de 2002. No colégio, eu ouvia uma tiração de sarro com fundo de inveja. "Porque Brasil siempre se gana todo", porque Brasil isso e aquilo outro. Eu nunca revidei nada, mesmo porque, para mim, era inútil brigar com pessoas dentro de sala que poderiam virar meus amigos. Eu ria, não tirava sarro e ficava por isso mesmo.

Até que a Copa de fato chegou. O colégio parou, foi colocado um telão imenso no pátio e todo mundo queria ver o jogo. Argentina ganhou todos os jogos da primeira fase, mas ouve um em especial que eu não me esqueço: eles ganharam por 6 gols de diferença. Suficiente para todo mundo achar que eles já tinham levado a Copa para casa. Nesse dia, precisei que meu pai fosse me buscar no colégio porque eu não conseguia escapar e ir para casa. Foram me seguindo por vários quarteirões cantando a mesmíssima música de hoje: Brasil, Decime que se Siente. Mas ao invés de "tener en tu casa a papá" era algo adaptado. Música que aliás, eu já ouvia nos confrontos entre colégios do mesmo bairro.


Fiquei com medo dos outros jogos que viriam e passei a ser meio excluída do grupo de amigos, só a angolana Pri que topava lanchar comigo. Chorava quase todos os dias. Frente à isso, eu passei a crer que essa rivalidade não poderia ser deixada de lado, e depois que Brasil foi eliminado, confesso que aliviei quando Argentina também foi.
Nos meses que se seguiram no colégio, minha irma novinha relatou episódios de discriminação e éramos várias vezes chamados de macacos por professores. Me ofereciam banana e eu, inocente, não entendia. Meus pais foram conversar e a palhaçada diminui, mas não acabou. Sempre que encontravam um jeito, falavam novamente. Ser chamado de macaco aqui não é preconceituoso, portanto não posso falar que era para nos tirar do sério, mas era algo que sim, nos tirava.

Diante disso, a feira internacional de países aconteceu na escola e minha mãe com as amigas dela resolveram mostrar que Brasil era dos melhores e fizemos maior festa, colégio pirou com o grupo de samba que levamos e depois só nos restou ouvir novamente aquela mesma coisa "Pero son tan alegres en Brasil, los queremos tanto".

Depois do Mundial de 2006 para 2010, eu estava mais preparada. Sabia como responder as ofensas com um simples 5x2. E levei mais na brincadeira, mesmo porque esse Mundial da África não alegrou muito os argentinos.

Mas esse no Brasil, ai rapaz... Começou cedo. Ofensas a mil, tiração de sarro levada fora dos estádios e eu só no unfollow e desfazendo amizades. Eu sou da opinião que só quem mora aqui que pode opinar, quem vem passar férias não tem muito porque opinar sobre a rivalidade porque não sentiu na pele e vive de fatos. Mas as pessoas são livres para falar o que quiser.

Se olho para os fatos posso afirmar sim que a publicidade brasileira tira mais sarro que a Argentina, que existem (ou existiam) mais brasileiros que não curtiam os hermanos que ao contrário e que de fato a mídia extrapola na rivalidade. Galvão Bueno falando que "é bom ganhar, mas ganhar da Argentina é melhor ainda" não ajuda muito e quem nasce sem essa rivalidade, logo a ganha.

E se eu paro para pensar de onde saiu tanta briguinha eu não sei explicar. Mas existe e é um fato e reina entre nós e atrapalha, principalmente, a vida de expatriados em ambos países. Vi muita gente compartilhando textos e mais textos no facebook dizendo que só os brasileiros que cutucam e que argentino não faz isso. Desculpa a sinceridade mas me parece hipocrisia isso, minha opinião. Argentino tampouco nunca foi santo para tal rivalidade, a diferença é que antes ninguém prestava atenção porque Argentina nunca foi foco de assuntos televisivos e se não fosse essa Copa na qual milhares de argentinos tiveram a possibilidade de invadir o Brasil, as pessoas não saberia dessa música "Brasil, Decime que se Siente" porque simplesmente não se interessam. Estou errada?

Aliás, se levo mais a fundo, comigo e com a minha família sempre foi ao contrário, sempre nos vinham atacar com a rivalidade. Eu não sou do perfil de gente que vai cutucar, só respondo se me ofendem caso contrário finjo que a Copa não existe quando falo com argentinos.

Mas, de novo, essa Copa vem sido minha pior fase aqui. Até ouvir que eu deveria voltar ao meus país de 7, eu ouvi. Que porque eu não torço para Argentina quando eu moro aqui. Ora gente, deixemos de ser bobos. A rivalidade que hoje eu levo comigo, muito ocasionada pelas más experiencias em outros Mundiais, é sadia e eu respeito meus amigos (coisa que eles não fizeram comigo nessa Copa, confesso), mas o fato de adorar a cidade não me obriga a torcer por eles, desculpa, ainda mais quando eu ouvi o que ouvi. Ainda que eu saiba que esses argentinos não representam a totalidade dos argentinos aqui, dói, viu? E bastante por sinal. E se eles me perguntam que se siente é isso: se siente pésimo y no lo deseo a nadie.

Nesse Mundial eu os notei muito mais ofensivos mas, na mesma moeda. Argentina x Irã: brasileiros com camisetas do Irã + argentinos cantando "Brasil, decime que se Siente". Ao contrário do que muitas pessoas vem falando de que Argentina está revidando, eu acho que os argentinos estão levando à luz de que sempre ouve, também, rivalidade aqui e que só agora vem sido conhecida.
A Banda de los Granaderos no dia Independência Argentina, 9 de julho, parou a apresentação oficial para cantar a musiquinha. A rede de celulares Movistar (como se fosse a VIVO no Brasil) disponibilizou grátis o download da mesma para ter como toque de celular, os cafés que eu mais adoro em BUE publicam em seus perfis do facebook a música que é para todo mundo aprender, os argentinos comemoram suas vitórias cantando a mesma, independente do oponente.

No Brasil, marcas de cervejas despacham argentinos para Buenos Aires, a mídia dedica páginas e se alegrava, até então em outros Mundiais, da derrota dos hermanos. Páginas e páginas no facebook dedicadas a torcer contra e a favor dos alemães (considerando a popularidade de Podolski, da compaixão por nós depois do desfecho trágico e do quanto eles nos fizeram ver que Brasil é bom pra caramba, cantando músicas do Bahia, socializando geral).

Eu acho que a mudança vem dos grandes, Neymar falando que torce por Messi e Mascherano é um balde de maturidade, que Mascherano e Aguero não souberam ter (digo isso porque quando ambos ficaram sabendo disso comentaram que não precisavam da torcida de fora e ironizaram o jogador brasileiro, assim não dá né gente? E o exemplo?). E não tem sido fácil. Não mesmo. E para quem perguntou, nesse jogo eu estou neutra. Tenho muitos amigos argentinos, mas eles não torcem para o Brasil, e o fato de morar aqui não me obriga a torcer para eles, os respeito e quero eles contentes. Mas também não posso torcer pra Alemanha, porque né... Não dá. Mas tenho amigos alemães que, diferentemente dos argentinos, vieram me consolar depois do jogo.

Enfim, poderia falar muitas outras coisas, mas meu desabafo é: ainda bem que hoje acaba. E para finalizar um recado, NO CASO de zoação (porque pode não haver), há inúmeras formas de revidar, mas a melhor delas é ignorar. E se há algo que nós temos de melhor é a felicidade e o sorriso, isso ainda é nosso. Olhem o que foi essa Copa. Ok? Beijocas e se precisarem de ajuda, estou por aqui.

Meus Cafés Preferidos em Palermo Hollywood

11 de jul de 2014

Continuando com a série de Meus Cafés Preferidos, vambora hoje para Palermo Hollywood.

Nao deixem de ver os os posts anteriores sobre cafecitos amados em Palermo Soho, Recoleta e Villa Crespo.

♥ Pani: o exagero do bairro
Dos clássicos dessas bandas, o Pani passou recentemente por uma reforma. Eu curtia mais o estilo anterior, mas acho que o jeito novo deles só reafirma o que realmente eles querem: exagero, tudo junto e misturado. Os bolos deles sao extremamente grandes, as sobremesas também, o  brunch é gigante mesmo para uma pessoa só. Para ter uma ideia esse era o prato de sobremesa (foto). Tudo lá é exagerado, de gente também. Para reunipes de amigas, os chicos se sentem asfixiados lá ehhee.


♥ Oui Oui: querido com amor francês
É meu preferido. Eu amo passar o dia por lá, as comidinhas são sem frescura e boas e tem um encanto digno de cafés de Paris. Amo por todo e para sempre. Post completo aquiNicaragua 6068/ www.ouioui.com.ar.


♥ Amenabar: a escapatória dos cafés lotados
Na mesma rua do Pani e do Oui Oui, o Amebar apresenta uma proposta parecida, é uma escapatória gostosa caso os dois estejam lotados. Dorrego 2200/ facebook.com/NuevoAmenabar.

Leopoldo: vem com tudo incluído!

2 de jul de 2014

LOCAL FECHADO.

Em uma iniciativa de continuar enfatizando que se pode comer e beber bem em Buenos Aires sem gastar horrores, o restaurante Leopoldo em parceria com o museu Malba lançou mão de um menu bem legal por 250 pesos tudo. Vem conhecer mais!


Quem lê não entende, mas o museu MALBA tem uma fundação chamada Amigos de Malba na qual, um grupo de jovens se disponibilizam para contribuir com o desenvolvimento e consolidação do local. Dentre as iniciativas propostas, uma delas foi criar juntamente com o chef Diego Gera um menu de 3 passos por um preço fixo com tudo incluído.


Eu fui provar o menu à convite deles e gostei bastante no geral. Do jeito que a inflação anda por acá, 250 pesos para 3 pratos (entrada, principal, sobremesa), pães, vinhos e serviço incluído é bem bom. E além disso o Leopoldo é bastante conhecido pela sua boa gastronomia. Os vinhos são da bodega Vicentín Family Wines que, para cada passo, oferece uma harmonização. 


No dia que eu fui o menu constava de entradas com finger foods diversos. Os fingers são clássicos no Leopoldo e vem acompanhados de espumante.


Depois, para os principais: risotto de beterraba com carpaccio de salmão e dale no Malbec. 


Ou cordeiro com crème brûlée de abóbora e gnocchi de queijo de cabra. Ambos estavam bons, no risotto eu quase não senti o sabor do salmão porque ficou camuflado gosto da beterraba, e o cordeiro estava espetacularmente delicioso e muito macio, muito mesmo. De certo, pediria esse na próxima vez.


A sobremesa era ou texturas de chocolate


Ou sambayon. Prefiro chocolate porque sou chocolate desde pequenininha, mas estavam bem gostosos também.


A ideia, sem dúvidas, é bem legal e é uma boa opção para uma refeição gostosa. O restaurante é bem lindo e super bem ambientado em Palermo Chico. Recomendo, de qualquer maneira, reservar antes.

Leopoldo
Cerviño 3732. Tel: 4805-5576.
No momento da reserva, peça pelo Menu Malba.
SUBIR
Buenos Aires para Chicas . Todos os direitos reservados. © Maira Gall .