Trabalhar em Buenos Aires: A Realidade

29/08/2014

Vocês sabem que eu não vivo do blog, tenho minha carreira que, curiosamente, é em Recursos Humanos e AINDA com recrutamento e seleção. E ainda, Brasil e Argentina. Esse post é baseado no que EU VEJO.

MERCADO DE TRABALHO
Brasil tem muito mais oportunidades porque a economia cresce mais (em comparação a Argentina), os empresários tendem a proteger mais os funcionários também. Aqui na Argentina, infelizmente, tem muita empresa demitindo funcionários pela crise. HP, por exemplo, fechou e demitiu MUITA gente. Várias empresas mecânicas, de indústrias, estão indo pelo mesmo caminho. Multinacionais, hoje em dia, por aqui não são garantia de estabilidade de emprego, a coisa tá feia em qualquer lugar.
O que eu vejo de qualquer maneira é que pra quem é estrangeiro o mercado aqui não é tão difícil porque dá pra conseguir uns freelas e etc. Mas depende muito do teu mercado. Eu trabalho com RH e sei que tem oportunidades legais, mas para trabalhar com EUA, por exemplo. Mas não sei dizer se no mercado de moda a coisa anda boa (aliás sei que não). Mas sei que, outro exemplo, Publicidade e Comunicação não é tao difícil encontrar porque vira e mexe precisam de gente com português.
Em linhas gerais, mais oportunidades de emprego estão no Brasil, porém é muito mais competitivo e aí que eu digo, que é mais fácil entrar em uma empresa grande aqui. Multinacionais por aqui, por exemplo, não têm nem 10% do processo de seleção que as mesmas empresas no Brasil possuem. Ou seja, passar em um processo de seleção aqui em uma empresa grande é mais fácil.
Chegando aqui não encontrando espaço no teu mercado de imediato, sempre rola dar aulas de português, traduções, trabalhar em bares e restaurantes. Não veja isso como subemprego e sim como algo temporário, eu já fiz, e acredito que 80% das pessoas que vieram pra cá, também.

SALÁRIO & BENEFÍCIOS
O salário mínimo aqui está em torno de 3600 pesos por mês, o que dá 940 reais no câmbio oficial, mas com poder de compra equivalente a uns 500 reais. Não dá pra viver com esse salário exceto que você não tenha gastos com casa. Geralmente as empresas começam pagando 5500 pesos ao mês. Um salário ok, está nos 8500 pesos mensais.
Sobre benefícios, os que tem sempre: plano de saúde e odontológico, às vezes, seguro de vida. Só. Não tem vale alimentação e/ ou refeição, não tem vale transporte, não tem FGTS, não tem previdência, etc. Algumas empresas tem restaurante, mas nem por isso é o esquema bandejão, você paga pela comida como pagaria em um restaurante comum fora. Raras empresas servem comidinha. Raras. São pouquíssimas empresas também que oferecem transfer, só se fica na província, mas BUE é bem fácil de se locomover. E poucas empresas oferecem participação nos lucros. Ah, aqui tem 13° também mas isso não é benefício. Ou seja, o que você recebe é aquilo e acabou, não tem agregados basicamente.
Se tem um ou outro benefício diferente, depende da empresa. Já trabalhei, exemplo, em uma que pagavam Megatlon pra gente. Depende muitooooo.

Agora, tem uma bela diferença entre o salário bruto (com impostos) e o líquido que fica nas tuas mãos. Quando uma empresa faz a oferta sempre faz em salário bruto e você tem que calcular quanto de imposto vai ser retirado. Dá pra ter uma noção usando esse site: www.calcularsueldoneto.com.

FÉRIAS
Brasil é um dos poucos países no mundo que tem tantas férias, aqui você tem 10 dias úteis ao ano que podem ser tirados entre outubro e marco. São duas semanas, dependendo da empresa você pode ou não juntar com feriados. E ah, não quero ser radical mas nem 10% das empresas aqui tem férias coletivas entre Natal e Ano Novo. E ah, são remuneradas sim.

FERIADOS
Tem muitos né? E depende com o que você trabalha, tem ou não feriado. Se trabalha com clientes internacionais, por exemplo, é difícil pegar todos os feriados. De novo, depende da empresa.

ROTINA
Geralmente se trabalha de 8h a 17h, ou de 9h a 18h. Uma hora de almoço, etc. Aqui tem muito home office então é normal trabalhar de casa uma ou duas vezes por semana.

PAGAMENTOS
Tem empresas que pagam todo final de mês (ultimo dia útil) e outras que pagam 40% do salário dia 5 e o restante dia 30.

ROTATIVIDADE
Aqui tem muito. Difícil ver funcionário ficando mais de 2 anos na empresa.

DEMISSÃO
Tem uma boa indenização, mas não tem seguro desemprego. Quando você é mandado embora pagam o mês de trabalho (ainda  que você não trabalhe o mês inteiro), e um salário por ano trabalhado - mas se você passou de três meses no ano conta como o ano inteiro e também um salário de indenização e outros mais.

Exemplo 1: 1 ano e 2 meses de trabalho
Você vai receber um salário pela indenização, um salário pelo mês de trabalho e outro salário por esse um ano trabalho.

Exemplo 2: 1 ano e 4 meses de trabalho
Você vai receber um salário pela indenização, um salário pelo mês de trabalho e 2 salários por esse um ano e 4 meses trabalho (acima de 3 meses conta como um ano).

Exemplo 2: 1 ano e 11 meses de trabalho
Você vai receber um salário pela indenização, um salário pelo mês de trabalho e 2 salários por esse um ano e 4 meses trabalho (mesma regra).

Fora esse dinheiro tem a liquidação final para fazer que não sei calcular direito, mas não é baixo o valor.

RESUMO
Aqui tem oportunidades, mas não tantas como no Brasil em contramão é mais fácil entrar aqui porque não é tao competitivo. Agora, as empresas no Brasil são mais mães que as daqui, vendo pelos benefícios e ambiente de trabalho. O trabalho para o brasileiro é mais importante que para o argentino e isso explica muita coisa. No Brasil você faz parte da empresa como uma família quase, aqui não, você não sente esse sentimento de pertencer a um lugar, e é cultural. Já disse antes: argentinos trabalham para viver e não vivem para trabalhar.

No geral é isso. Vocês podem fazer perguntas, mas sobre mercados específicos de trabalho eu não sei dizer! Se quiser procurar emprego recomendo visitar as bolsas de trabalho: ZonaJobs, Bumeran, Computrabajo e ficar com currículo atualizado no Linkedin (por lá aparecem coisas legais).

Grand Cafe: esconderijo em Retiro

27/08/2014

Existe uma família aqui em Buenos Aires que é dona de, pelo menos e que eu saiba, 3 lugares maravilhosos: o Gran Bar Danzón, o BASA e o Grand Cafe. O post curtinho-delícia de hoje é do Grand Cafe. Com um menú delicioso de lanches, cafés da tarde, pratos do dia, doces e patisserie, o local faz uma bela diferença na hora de escolher onde comer por Retiro.

+ O lugar: décor moderna, pé direito alto, aconchegante por conta da escadaria que tem que descer para chegar ao salão. Faz o lugar ficar com ares de escondidinho no subsolo.
+ Qualidade: excelente. Tudo muito fresco, em especial o de salmão. As batatas fritas estavam bem sequinhas.
+ Para ir quando: a tarde para um café, um almoço regado a lanches gostosos (eles tem também prato do dia).
+ Com quem: amigos de trabalho, amigas, casal, sozinho.
+ Pedidos por ordem de aparição no post: limonada com menta e gengibre, Lanche de Salmão Assado, Veggie Falafel Burger, Batatas Fritas, vasito de Chocotorta e Hamburguesa Grosa.

Décor.

Plantinhas.

Visão geral.

Limonada.

Lanche de salmão com tomilho, maionese apimentadinha, tomate, cebola, pão de sementes.

Veggie Falabel Burger: falafel caseiro com alface, tomate, molho da casa com iogurte e pepino. 

Batatinhas.

Chocotorta.

Hamburguesa Grossa: carne moída, assada no grill no pão caseiro com tomate, alface, cebola, pepino.

Grand Cafe
www.grandcafe.com.arwww.facebook.com/grandcafeba
Basavilbaso 1340 - Retiro, Buenos Aires.
Preço médio: 120 pesos por pessoa.

Crise? Que Crise?

25/08/2014

Muita gente vem pra cá e comenta: impossível que vocês estão em crise! Todo mundo sai, todo mundo vive comendo fora, indo à teatros, cinemas, etc. Não sei onde tem crise.

Desde que o mundo é mundo, argentinos são boêmios. Amam sair para ir à cafés, restaurantes, bares, ler um livro em alguma casa de chá e ficar vagando por horas. Essa cultura, sabemos todos, não é compartilhada no Brasil. No Brasil comer fora é caro, aqui - se você souber sair - não é. Dou um exemplo simples: sair para comer bem no Brasil não sai por menos de 100 reais por pessoa, correto? Não estou falando aqui de restaurantes caríssimos, mas de uma comida ok e tampouco falo de self-services e etc. Aqui em Buenos você consegue comer fora por 150 pesos e bem, super bem.

Ir a um café aqui não é sinônimo de comer horrores tampouco. Você pode muito bem, se sentar, pedir um expresso e ficar 3h. Vai gastar meros 30 pesos em média. No Brasil, parece que você simplesmente não pode se sentar e pedir algo para beber que o garçom vem a cada cinco minutos perguntar se quer algo mais. Brasileiro também não tem esse costume de sentar e ler algo, logo quando sai para um café ou algo do estilo é para comer de qualquer maneira. Todo mundo concorda, né?

Pois bem. Ir ao mercado no Brasil não é tão caro como ir ao mercado aqui. Verdade. Mesmo quando eu vou para São Paulo, e vou ao super comprar coisinhas básicas para comer durante a semana, gasto uns 100 reais no máximo, nem isso quase. Aqui em Buenos eu não saio do mercado gastando menos de 500 pesos. E se eu vou na quitanda comprar frutas e verduras, lá se vão mais 100, 100 e poucos.

Em linhas gerais, turista acha que não tem crise porque vê muita gente nas ruas, comendo fora, indo à cinemas e teatros e cafés. Vejamos: em uma economia que há tanta inflação e desvalorização da moeda, guardar dinheiro não é lucro. Não é. Se sobram uns pesitos na conta, povo vai gastar. Se você come fora uma vez por semana, pelo menos, vai gastar no mês algo em torno de 600 a 800 pesos (em média, pode-se gastar menos ou mais). Não é muito dinheiro, comparado ao Brasil. Ou seja, pessoal aqui sempre saiu e ainda que comer fora tenha aumentado muito nos últimos anos, continua sendo barato.

A crise está na quantidade de pessoas que saem. É verídico que a quantidade de gente que você vê nas ruas agora comendo fora é menor do que antigamente. Pense que antes, um público muito maior saía para comer. E parte das pessoas que você vê comendo fora podem não ser locais. Já parou para pensar quantos turistas vem para Buenos Aires? Quantas pessoas de fora moram aqui? Inúmeras.

O porteño mesmo já não sai com a mesma frequência de antes. Ao invés de fazer um esquenta em um bar, compra para fazer em casa que sai muito mais barato. Vai ao mercado em dias de promo do cartão de crédito. A Freddo mesmo, começou a distribuir 2x1 no quilo do sorvete quando se faz compras no mercado. Agora você vai a sorveteria e tá cheia. Garanto que 70% das pessoas estão com esse cupom. Ou, por exemplo, carteira de descontos de jornais e cupons de outros lugares. Porteño está abusando mesmo dessas promos. Porteño também sai para comer fora, mas não pede entrada, prato principal e sobremesa. Aliás, foram raras as vezes que eu sai com argentinos nas quais pedimos entrada e sobremesa. Quase nunca. É sempre vinho, água e principal. Ou em um café, é quase sempre pedido um café mesmo e acabou. Uma medialuna aqui e outra ali, pode ser. As contas não ficam absurdamente caras.

De qualquer maneira, matérias de vários jornais apontam a quantidade de locais gastronômicos que fecharam no decorrer do ano na cidade: 45%. Em torno de 350 lugares de comida entre restaurantes, cafés, bares, etc. É MUITA coisa, gente, MUITA. Sábado mesmo fui passear em umas ruazinhas perto de casa e 3 lugares fecharam: Leopoldo (que eu fiz post faz pouco), Voulez Patisserie e uma casinha que vendia comidinhas caseiras para levar. É bem triste. O Experiencia del Fin del Mundo em Palermo Hollywood foi outro que fechou. Comércios fecham na mesma medida.

A crise está nisso, e também na baixa de lugares que já não aceitam mais cartões de crédito e/ ou débito como forma de pagamento: o lapso de tempo que o pagamento leva para cair na conta do restaurante é grande, e isso faz com o que o preço da comida seja maior na hora que a grana cai, fazendo então o lucro diminuir. É certo que muitos lugares fazem lavagem de dinheiro também, infelizmente.

Onde se aceita cartão, porteño tá passando. Se pode dividir, melhor ainda. Mesmo havendo dinheiro na conta para pagar: se algo, por exemplo, é dividido em várias parcelas a mesma inflação no lapso determinado de tempo vai cobrir a dívida restante. É isso.

Enfim, a crise está em outros vários setores. E o fato de restaurantes e bares estarem cheios não quer dizer que não há.

Fashion Tour La Vestuarista: muita moda e estilo!

20/08/2014

Semana passada eu postei no Instagram e no Facebook que tava indo fazer o lindo Fashion Tour da amiga Lígia, do La Vestuarista e hoje venho contar um pouquinho sobre o que é!

A Lígia é consultora de estilo, fora isso conhece a cidade tanto quanto eu e sabe onde estão lojinhas escondidinhas de estilistas independentes e sabe - também e não menos importante - onde estão os melhores preços. Daí que você passa por lojas, showrooms e tudo mais. O que eu fiz foi o de Palermo, e a Lígia adapta o tour as suas necessidades e ao que você está procurando.

Além disso tem aquela paradinha básica para um café delícia que só em BUE tem e eu não me canso de dizer ahaha. Vejam só as fotos que a Adriana Carolina fez do nosso tour! Lindo demais, né?

A gente começou e terminou num café, porque né? Somos gordinhas de alma.

Essa opção de Palermo é a chamada ‘Made In Buenos Aires’, o tour pode acontecer tanto em Palermo como na Recoleta, dependendo da eleição da pessoa. São visitados diferentes showrooms, e designers independentes de roupas, acessórios, jóias, etc., que atendem com exclusividade a portas fechadas.

Pausa pra foto!

Para os tours é feita uma cuidadosa seleção de designers, sempre pensando em apresentar ao público artistas únicos, com produtos autorais. Buscando promover o design, endossar novos talentos e surpreender o turista.

Primeira loja!

Acessórios MARAAAA de meninas que fazem coisas com muito estilo.

Há também o ‘Experiência Vintage', pensado para os adoradores de brechós, vintage e lojas de antiguidades, ele acontece pelo bairro San Telmo, famoso justamente por essas referências. Nas estações mais quentes esse tour começa com um um passeio de 30 minutos por alguns pontos turísticos da cidade em uma limousine azul piscina original dos anos 40.

Segunda parada: showroom independente.

Eu futricando as roupas. Gostei de várias! Mas mãe, na próxima encarnação me produza com menos quadril, por favor ahaha.

Os passeios duram em média 5 horas.

As roupas eram lindas e os acessórios também, olhem essas bolsas!

Lígia fazendo biquinho pra passagem secreta da terceira parada.

Que era outra loja de bijou, EU AMO. Essa era lindona, tinha uma pegada mais rock!

Nós na quinta parada: bolsas super diferentonas e de couro.

Originais né?

Outra opção que a Lígia oferece é fazer o dia de beleza. Com cuidados de mãos, cabelos, etc. Um mimo.

Caminhando pra última loja! Que lindo esse visu de Palermo, né?

E essa foi a loja MOR do tour. Me apaixonei por tudoooo. Sério, tinha bastante roupa de festas, vestidos mara, e até fascinators! Sem falar que o local era um desbunde de maravilhoso.

Cabou :( mas fomos pro bar beber vinho.

Foi um tour mega especial e eu amei! A gente foi em vários lugares secretos e nos divertimos DEMAIS! Tanto que juntas vamos sortear um tour por San Telmo com e-session do jeitinho que rolou por Palermo: eu palpitando em tudo, a Lígia mostrando pra gente o melhor da moda de Bue e a Adri tirando mega fotos lindas, como só ela sabe fazer.

O sorteio é para 1 (uma pessoa) e o tour-session vai ser realizado no dia 27 de agosto, quarta-feira, das 16h30 às 19h30 em San Telmo. Portanto as pessoas que participarem do sorteio, devem contar com a disponibilidade para estar em San Telmo no dia e horário indicado. Ok? Qualquer pessoa pode participar, morador ou não da cidade, turista ou não.

Como faz para participar? Tem 2 opções:

Opção 1: facebook
Só compartilhar esse post aqui que vai estar publicado no facebook do blog e curtir a minha página lá, a da Lígia e a da Adriana. Seguem os endereços:
- Amanda/ Buenos Aires para Chicas: www.facebook.com/BlogAmandaMormito.
- Ligia/ La Vestuarista: www.facebook.com/lavestuarista.
- Adriana Carolina: www.facebook.com/adrianacarolinafotografia.

Opção 2: instagram
Compartilhar a foto que eu coloquei no meu perfil sobre o sorteio usando a hashtag #fashionesessionbue e linkando eu, a Ligia e a Adri e seguindo a gente também por lá. Links:
- Amanda Mormito: www.instagram.com/amandamormito.
- Lígia Baleeiro: www.instagram.com/ligiabaleeiro.
- Adriana Carolina: www.instagram.com/adrianaiwanczuk.

Dá para concorrer até dia 24 que é quando iremos apurar os participantes. E será também o dia que publicaremos o ganhador/ a ganhadora, ok?

Qualquer dúvida, nos comentários!
SUBIR
Buenos Aires para Chicas . Todos os direitos reservados. © Maira Gall .