Porteño Trabalha para Viver

10 de fev de 2014

Dias atrás sai para falar com um britânico e juntos chegamos a conclusão de que, certamente, porteño não vive para trabalhar, ele trabalha porque isso o permite viver.

Até comentei no post da semana retrasada sobre isso e resolvi divagar um pouco mais sobre o assunto e em como isso afeta ou não o ritmo de vida deles.

Uma coisa que eu aprendi com eles aqui é dar valor - e muito - pra qualidade de vida diária que cada pessoa tem. Porteño prefere trabalhar do lado de casa numa pequena empresa sem propensão de carreira a longo prazo que se deslocar até uma cidade próxima para trabalhar em uma multinacional. Vejo isso no dia a dia e é real. Aqui geral acha absurdo gastar ao menos uma hora que seja no trânsito para poder chegar no trabalho e é realmente raro encontrar alguém que pegue duas conduções para o mesmo. É certo que a cidade é pequena, mas mesmo assim.


Porteño quer sair durante semana pra bar e acordar no outro dia como se não tivesse acontecido nada. Quer mesmo essa vida que você aproveita cada dia. De ir almoçar fora, de jantar fora e passar horas em um café. Porteño gasta sim com vida social, que ainda é em conta aqui. Por isso, por mais que vocês me perguntem de crise, os restaurantes e cafés sempre vão estar cheios de gente.

Porteño ama viajar, trabalha pra isso também. Mas é difícil achar alguém com apartamento próprio. Difícil achar alguém que gaste horrores com carro, aliás por isso é tão comum ver carro batido circulando numa boa nas ruas da cidade. Ninguém liga pra isso.

É, qualidade de vida. Acho que esse é o principal motivo da minha estadia aqui ser tão prolongada. Geral aqui vive o HOJE, tão difícil de encontrar no Brasil. Aqui pouca gente reclama do domingo, pouca gente aliás liga que no outro dia é segunda, isso porque porteño faz o que quer quando quiser, seja durante semana ou não, afinal, que mal há? Você não sabe se vai estar aqui no dia seguinte.


É perfeitamente comum sair da sua casa às 21h durante semana e ir para um bar ou comer fora e voltar às 2 da manhã, que no outro dia 8h da matina você acorda pro trabalho que está tudo certo. Ai, vida que eu amo.

E nisso você também aprende que ninguém tem prazo de validade: já seja na faculdade ou no trabalho ou vida social. Eu tenho amigos de 20 a 40 anos, e todos eles são do mesmo jeito. É o jeito de viver. A vida sem preocupação a longo prazo, o que você leva daqui desse mundo? Nada, só experiências.


Esses dias conheci uma menina que trancou a faculdade pra ir viajar. Isso no Brasil é impossível quase de ver, e ela foi. Foi viajar por duas semanas pra Europa e trancou a faculdade, e vai retomar só no próximo semestre quando as contas estiverem ok.

Talvez existam muitas coisas aqui erradas ou diferentes, mas esse estilo de vida, certamente, todo mundo deveria copiar (minha opinião). 

Buena semana, e vivam um luxo por dia.

21 comentários

  1. Amanda, morei em Buenos e sempre usei seu blog como referência. Este post diz tudo o que eu tento explicar aqui no Brasil pras pessoas. Admiro muito os hábitos dos porteños e tenho como ideal de vida poder voltar a viver assim. Obrigada por aclarar isso tudo, porque eu pensava que era só eu quem achava isso deles! Besos y suerte siempre! ;)

    ResponderExcluir
  2. Eu amo esse estilo de vida, não aguento mais ver brasileiro se endividando pra bancar um luxo que não o pertence, compra um carro em 500 prestações, trabalha em um emprego infeliz pra sustentar uma vida que é somente para mostrar para os outros que podem possuir bens, e não vive, pq no fim do mês ta sobrando conta, faltando dinheiro, por fim acaba nem curtindo a vida, bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. UAU! Eu quase não conheço gente assim, que só trabalha pra mostrar aos outros o que tem. E não estou sendo irônica. Pensar que brasileiro só gosta de trabalhar pra ostentar é, na minha opinião, uma grande generalização com base em uma minoria. Eu por exemplo trabalho pra me sustentar, pra sustentar minhas irmãs e pra poder viver bem. E a maioria das pessoas que eu conheço, mesmo as que eu não gosto, também são assim. E a titulo de curiosidade, um relatório internacional do fórum econômico da ONU mostrou que os argentinos se endividam 1,5 vezes mais que os brasileiros. Ou seja, além de generalizado é sem sentido esse seu argumento.

      Excluir
    2. Falou tudo. Exatamente por isso escolhi Buenos Aires p viver. Cansei dessas atitudes sem razão que temos no Brasil.

      Excluir
    3. Eu vivo aqui em bs as hà 5 anos,deixei minha facu e meu trabalho pra viver com meu marido...certo que ele têm seu trabalho independente e nâo nos falta nada,mas te digo uma coisa a vida aqui è distinta a do brasil,aqui as pessoas sâo muitos cômodas,nâo querem estudar como nòs queremos no brasil,eles "nào se importam" com o amanhà,eu sinceramente nào vejo nada de bom nisso...acho que as pessoas têm que ter metas na vida,algo que nos bote pra frente,que corramos atràs de algo que seja pra velhice,ou que possamos deixar algo pra nossos filhos.penso assim.

      Excluir
  3. Eu AMO esse estilo de vida! Penso assim desde jovem e tento viver isso na medida do possível! Geral não entende, principalmente o marido, mas para mim é uma sensação libertadora!!!
    Aconselho a todos os amigos e familiares a pensarem assim, viverem mais...
    Afinal, casa, carro e conta bancária não são enterrados conosco no caixão!

    ResponderExcluir
  4. Amanda, "os Anjos às vezes falam pela boca dos seres humanos"... Hoje acordei pensando exatamente sobre o estilo de vida em Bs As e o porque ainda não tomei coragem para sair de São Paulo e ir viver um tempo aí. Só tenho a dizer: Muchas Gracias querida.

    ResponderExcluir
  5. Amei!! Definitivamente eu tenho que ir pra B.A.! Acho que nasci porteña e não sabia!! rsrss.. BJ chicas!

    ResponderExcluir
  6. Amanda, acredito que existem muitas brasileiras com almas portenhas!
    Bjs Edinalva

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito desse assunto e da discussão em torno dele. É claro que não podemos generalizar nunca, tipo: 'todo brasileiro trabalha para ostentar, portenho trabalha para viver', pois é óbvio que existem milhares de exemplos contrários, de portenho querendo ostentar (inclusive o que não tem) e brasileiro solto pelo mundo vivendo o presente cheio de aventuras. Trata-se de uma questão cultural, predominante em uma sociedade ou local, ao mesmo tempo em que não deixa de ser uma questão individual, das prioridades e valores de cada pessoa, o que é estritamente subjetivo. O Brasil é muito grande e certamente há cidades em que o estilo de vida 'trabalhe para viver' predomina muito mais, enquanto outras, o 'viva para trabalhar'. Eu, como você, prefiro e já escolhi o primeiro e acho que ele é uma tendência que tende a crescer nas culturas e mentes mais desenvolvidas. Beijos

    ResponderExcluir
  8. eu ja tinha passado por aí 4 vezes, sempre uma semana de cada vez. ano passado consegui ficar um mês e então analisar/entender um pouco mais o dia a dia porteño... e percebi justamente isso.não importava o dia, sempre encontrava cafés e restaurantes movimentados. 2a, 3a, 5a. casais, amigos, famílias numerosas. achei isso o máximo e é mesmo muito diferente do que temos aqui no Brasil. bom, daqui uns meses é a minha vez de tentar viver um tempo aí e poder aproveitar esse costume com o povo bonaerense ;)

    ResponderExcluir
  9. Amanda, por essas e outras que simplesmente adooooro Baires!!
    Estou aprendendo....
    Bjo

    ResponderExcluir
  10. Pois é, esse estilo de vida de Buenos Aires acho mto parecido com o da Italia e da Espanha, paises de origem da grande maioria de imigrantes na Argentina. Isso se chama qualidade de vida, coisa que no Brasil, nos dias de hoje, é impossivel devido, entre outras coisas, à violencia, à mentalidade do acumulo monetario e ao altissimo custo de vida. Uma vez que se conhece e se vivencia no dia-a-dia essa qualidade de vida, fica dificil nao sentir saudades. Por outro lado, como lembrou a Isis R. no comentario, é um pensamento muito imediatista, comodo e perigoso até certo ponto, pois viver somente o presente sem planejar o futuro pode dar a falsa ideia de que tudo se "ajeita", se pensa depois. Vi isso com os italianos e hj a situaçao do pais està mais do que deploravel, uma pena de verdade, mto parecida com a da Argentina. Mas, saber equilibrar trabalho e ocio é o que ha de melhor nessa vida! E Bue sabe mto bem proporcionar a parte do ocio, basta correr atras da outra parte!! :)

    ResponderExcluir
  11. Meu primeiro sentimento vou ter vergonha alheia por você Amanda, mas aí foi revolta mesmo. Uma coisa é querer ficar fazendo jaba de café e restaurante para as trouxas que leem esse blog, outra é querer se meter a falar de estilo de vida, cultura. Não sei em qual bolha você vive, e sim tenho propriedade para falar pois vivo há anos em Buenos Aires, mas a realidade da vida aqui não é tão assim como você pinta, e da do Brasil muito menos. Se o brasileiro não gostasse de aproveitar a vida não haveria tanto gringo querendo se mudar para o Brasil, ou voltando para lá todas férias, argentinos incluídos. Quem sempre foi pintado como bon vivant em filmes, músicas e até em história em quadrinhos internacionais foi o brasileiro.
    "Esses dias conheci uma menina que trancou a faculdade pra ir viajar. Isso no Brasil é impossível quase de ver, e ela foi. Foi viajar por duas semanas pra Europa e trancou a faculdade, e vai retomar só no próximo semestre quando as contas estiverem ok."
    hahahaha sério, DUAS SEMANAS ela ficou na Europa? UAU, tudo isso?! E com esse relato de UMA pessoa que você conheceu UM dia você generaliza se o brasileiro faz isso ou não?
    Só eu tenho cinco amigos no Brasil que trancaram a faculdade e passaram o semestre ou um ano inteiro em outro país. E acredito que muitas pessoas que leem aqui também conhecem.
    Os porteños não compram imóvel porque são caros e vendidos em dólares, o qual que aumenta a cada dia em relação ao peso. E ninguém ganha cifras grandes sendo empregado como no Brasil, a classe média do Brasil ganha muito mais que a da Argentina.
    E outros não precisam comprar, pois seus papais trabalharam e compraram um apartamento para que seu filhinho vivesse comodamente. Sim, existem pessoas de 30 anos em Buenos Aires vivendo as custas dos pais. E os que não conseguem arcar com o custo de vida aqui se mudam para outras províncias, conheço vários que fizeram isso.
    É muito fácil dizer que todo mundo poderia copiar esse estilo de vida quando com certeza quem paga seu aluguel é seu pai.
    Vergonha total, espero que quando você amadureça se dê conta das merdas que escreve por aqui, se não, continue vivendo na sua bolha e não tente vender para as desavisadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Catarina, também morei em buenos aires!
      Frequentei a UBA e convivi muito com o povo de lá.
      Na minha aula de pós graduação dois argentinos iam de carro para a aula (40 ao total). Fato que aqui em Porto Alegre são raros meus amigos (classe média) que não tem carro.
      Acho sim que os portenhos tem um estilo de 'desfrutar' diferente do nosso.
      Até porque aqui quem não acorda cedo e vai trabalhar é visto mais como 'vagabundo'.
      Ainda, muitos amigos meus do Brasil (80%) ganharam apto dos pais ou tiveram grande ajuda para comprar. Em Buenos Aires, muitas vezes mesmo quando a família é abonada, os filhos só usufruem da grana, com afinco, na hora da morte dos pais, fazendo que com vivam de aluguel durante muito tempo.
      Lá em Buenos Aires os cafés estão cheios de gente pela manhã, pessoas que começam o turno mais tarde. Aqui infelizmente muitos dos que trabalham mais 'tarde' estão tomando pinga na venda...(generalizando, ok, mas é o que vejo no trajeto ao escritório).
      Concordo com o que dizes do Zé Carioca 'way of life'. E das pessoas que procuram o Brasil para curtição, pegação e aí vai ladeira abaixo.. É verdade, concordo contigo que infelizmente os estrangeiros tens essa visão do nosso país.
      Não espero que a gente tenha a mesma opinião, mas sempre esperei de portenhos e de gaúchos (onde vivi) uma boa educação. Abraços

      Excluir
  12. Oi Amanda! tudo bem?
    gostaria muito de saber qual é o nome deste bar do neon de coração e o endereço, é na calle honduras? vou daqui duas semanas a bue e estou louca para conhecê-lo! :)

    beijos!


    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Nossa Catarina Vilas como seu post soa amargo e grosseiro, precisava tudo isso? parece que você está com odio da Blogueira. Começo pouquissimo de Buenos Aires mas conheço muito do estilo de vida no Brasil e da loucura de comprar carro em 500 prestações e micro aptos de "luxo" em 360 meses (divida eterna), conheço vilencia, sujeira, falta de educação, egoismo e excesso de corrupção de assola o Brasil.

    ResponderExcluir
  15. muito mal educada essa menina... Mas vou postar um comentário. Sou farmacêutico e brasileiro, tenho 35 anos , casei com uma mulher, gostei dela, me separei, pois me apaixonei por um cara , casei e vou passar lua de mel em buenos aires em julho agora com ele. Amanda, antes de tudo, parabéns pelo blog, vc escreve bem e não vive numa bolha. Esse estilo de vida contado é um estilo a ser copiado sim, pois se evita muitas doenças , preocupações e traz felicidade. O tempo ensina o que é necessário na vida. Digo isso porque ja comprei um carro em 60 prestacoes. me individei, me arrependo de muitas coisas. Mas uma nunca vou me arrepender de fazer o máximo na vida para ser feliz. Parabéns mais uma vez!!!!

    ResponderExcluir

SUBIR
Buenos Aires para Chicas . Todos os direitos reservados. © Maira Gall .