Sheldon: o mais querido da Plaza Serrano

7 de abr de 2014

Olá, meu é Alyce e eu sou uma pessoa muito possessiva.
E vocês devem estar se perguntando quem é essa louca e por que ela já chegou dizendo que é possessiva, mas eu vou explicar!

​A Mandy tinha pedido algumas colaborações sobre os lugares que gostamos em Bue enquanto ela está viajando e eu achei a ideia legal, até lembrar que não gosto de dar dicas de lugares que amo, porque sou muito ciumenta. Algo possessivo mesmo, como se quisesse esconder esses lugares ficando intocados para o resto da vida.


O pensamento é tolo, eu sei, mas tem gente que faz isso com música, com loja de roupa e eu faço com lugares que são muito especiais pra mim, como é o caso do Sheldon, mas já é hora de abrir meu coração!

     

Meu caso com esse sobrado da Honduras é de amor e MUITA sorte!
Combinei com um amigo de passar as férias em BsAs e chegamos bem tarde, sem nem termos pensado num lugar próximo para comer e a fome já estava apertando. Decidimos sair do hostel, parar no primeiro lugar que aparecesse e sentar pra comer antes de ter minha primeira queda de pressão internacional! hahahahaha
Como era uma sexta-feira estava tudo muito cheio, íamos quase desistindo até que avistei uma portinha, puxei o Guilherme e entramos na sorte.


Logo na entrada já vi uma das paredes com uma estampa de tigre meio kitsch e meu coração palpitou, eu confesso.
Misture essa estampa, alguns neons (oi, lado travesti!) espalhados em vários formatos, poltronas com um toque de anos 50/60, luz baixa, tragos gelados, música boa e voilà, esse é meu lugar porteño favorito!
Saímos de lá borrachos e apaixonados pelo Sheldon, porque é um lugar muito agradável, que mistura o vintage e o moderno num mesmo espaço.


O Sheldon me lembra muito um bar chamado Drosophyla que é meu lugar favorito em SP (olha eu deixando de ser egoísta e abrindo meu coração outra vez!), aconchegante, fresco, com pisca pisca espalhado por alguns lugares e talvez minha identificação imediata e possessiva tenha vindo daí.
Sempre que retorno a Bue é uma obrigação voltar ao Sheldon, não importa!


Da última vez fui com o namorado e ele ficou apaixonado pelo lugar, como estava frio, abusamos das carnes e de um bom vinho, mas para quem gosta de ferver, o lugar depois da 01h00 bomba e fica bem divertido. Tem uns chicos guapíssimos, os garçons são bem gatos e rola um clima de paquera (daquele jeito porteño que a gente já conhece!) na parte de fora!

Minha indicação é: se jogue nos tragos e nas papas bravas para quem gosta de um petisco mais apimentado!

É isso, meninas! Espero que tenham gostado e quem quiser ver minha peregrinação por essa cidade tão querida e linda, é só me seguir no instagram (@alycetakai) que tem várias fotos por lá!

Até a próxima! :)

Informações Gerais:
Honduras, 4969, Buenos Aires.
www.facebook.com/SheldonPub
Preço Médio por Pessoa: 160 Pesos

Comentário: ALYCEEEE, te quiero. Obrigada pelo tempo e dedicação em escrever <3. Ficou demais e Sheldon entrou pra ala dos queridos desde que tu indicou *-* 

6 comentários

  1. Mandy querida, obrigada pelo espaço e pelo carinho, é recíproco!

    Continue encantando as pessoas como Buenos Aires nos encanta! <3

    ResponderExcluir
  2. Impossível entrar e não considerar o Sheldon o melhor bar de Buenos Aires. Ambiente incrível, comida e bebidas incríveis, garçons super atenciosos e milhares de outros motivos que me deixariam por horas falando! <3

    ResponderExcluir
  3. Ah quero conhecer.... Setembro estou aí; Besos!!

    ResponderExcluir
  4. Amoooo o Sheldon, nossa! Foi a nossa melhor descoberta na viagem. Nunca vou esquecer da nossa cara de surpresa quando entramos e vimos que o lugar era muito mais incrível que imaginávamos. <3

    ResponderExcluir
  5. Eu fui e sentei bem na entrada, nem vi que era tão bonito assim. Vou ter que voltar!

    ResponderExcluir
  6. HAHAHA Gostei da parte "porque sou muito ciumenta".
    Vou lá ainda hoje... mas não se preocupe, não vou arrancar pedaço! :-)

    ResponderExcluir

SUBIR
Buenos Aires para Chicas . Todos os direitos reservados. © Maira Gall .