Copa do Mundo na Argentina: Um Desafio

26 de nov de 2013

Tenho visto muita gente já em clima de Copa. Claro, é no Brasil, não seria para menos. E daí muitas pessoas me perguntam: ''Amanda, como é passar a Copa em Buenos Aires?''. Eu, seca, respondo: ''Uma das experiências mais desagradáveis da vida porteña.''

Tudo começou quando vim morar com meus pais aqui, minha primeira Copa em solos argentinos foi a de 2006. Para piorar a situação eu era, praticamente, recém chegada, estudante do Ensino Médio, não sabia espanhol direito e era uma boluda (dessas que ouve tudo e não responde nada).


Argentino é tão apaixonado, ou mais que brasileiro, por futebol. Coisa passional mesmo que beira gesticulações italianas e etcs. Enfim, imaginem a cena: eu no pátio de um colégio super porteño, com mais de 400 pessoas ao meu redor gritando e cantando hino argentino e já suportanto as piadinhas, por ora, engraçadas com o Brasil. Eu sabia que, passar junho-julho ilesa, não iria rolar.

Ok, os primeiros jogos foram oks. Eu estudei em colégio de período integral e frequentava o bendito todos os santos dias, o dia inteiro. Isso, para mim na época que ODIAVA Argentina, já era um baita esforço. As piadinhas começaram a medida que o pessoal foi ganhando confiança na seleção. As piadinhas eram fracas e geralmente com uma resposta de ''Brasil tiene 5 mundiales, ustedes 2'', já bastava. 


Tentava a todo momento me manter tranquila, afinal era comum. Eu também achei que não fosse piorar porque, afinal era menina, e jogava para todos os cantos que não ligava para futebol. O que é uma verdade, não tenho time e não tenho muita paciência. É certo que durante a Copa do Mundo tudo mundo entra no clima, e essa era minha maior ''paixão'' pelos gramados.

Em 2006, houve um jogo no qual a Argentina ganhou de 6x0 contra um time medonho. Nem me lembro qual país era. Esse dia foi um dos piores dias da minha vida por aqui. Geral pirou, pronto. Argentina, nesse momento, já havia ganho a Copa. Nesse mesmo dia, quando estava indo embora para casa, os meninos do meu colégio me 'acompanharam' por todo o infinito trajeto de 10 quadras até minha porta, gritando e cantando canções que satirizavam o Brasil e me deixavam, além de encabulada, sem resposta. 


Me lembro que cheguei em casa exausta, joguei nesse dia todos os meus livros no chão e faltei no dia seguinte ao colégio. Eu sempre fui sensata e tinha consciência de que outras situações piores poderiam acontecer. A medida que o Brasil também avançava na classificação, meu ego também cresceu e virei a apaixonada do futebol nacional. Sabia o nome e história de cada jogador e decorei em dois dias as principais conquistas da seleção. Para cada resposta eu tive algo para dizer na ponta da língua.

Foi aí que me dei conta de algo: para o pessoal aqui é preferível ver Brasil perder que Argentina ganhar, essa é a realidade. Aprendi, claro, a conviver com isso. Me lembro que ver os jogos eram, praticamente, algo secreto: camisas por debaixo das blusas, chegávamos no local, quietos. Uma vizinha brasileira teve a audácia de pendurar a bandeira do Brasil na janela, que no outro dia, amanheceu com uma pedra enorme e um prejuízo bem grande ($$$) para arrumar.


Há limites de exposição durante o período da Copa. Manter a paciência e ser discreto é fundamental. Vão haver brincadeiras de mau gosto, vão haver sátiras, momentos desagradáveis e momentos nos quais a vontade de bater e esbofetar um é enorme, mas não vale a pena. Como eles dizem aqui ''al fin y al cabo'' qum ganha dinheiro com isso não é a gente.

Não sair com camisas do Brasil e não provocar é lei durante a época. Não faz sentido você arranjar briga fora de casa, e lembre-se sempre que ganhamos a Copa 5 vezes, com isso basta. Dale? Para quem é mais esquentado e fica fora de si quando ouve algodo tipo, minha fica é fugir daqui na época.

Corra para as colinas. A medida que o Mundial for se aproximando vou colocando mais posts a respeito. Besos.

22 comentários

  1. n to acreditando no episodio da bandeira pendurada! que povo loco

    ResponderExcluir
  2. pior é terem de te perseguido até sua casa, que isso gente! hahahaha se bem que aqui, a argentina é tão odiada quanto....

    ResponderExcluir
  3. Minha experiencia aqui foi muito tranquila,muito mesmo,foi em 2010.Não sou fanatica de futebol,pra mim da no mesmo,mas via os jogos com meus amigos,via os daqui e os do Brasil,e pintava a cara de um lado verde e amarelo e do outro celeste e branca,torcia pra qualquer um,e vários conhecidos usavam casaco ou blusa do brasil na epoca e nunca soube de nemhum problema.

    ResponderExcluir
  4. Ai, que preguiça de futebol! Tanto aí como aqui! Adoro torcer contra o Brasil, mas acho que se estivesse aí na época, ia acabar virando torcedora de carteirinha como vc. É irritante. Aliás, eu já gostei de futebol algum tempo na minha vida, e parei de torcer tamanha a ignorância de quem faz, joga e torce. Não dá.

    Besos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ahahah isso mesmo, tu vira fanática - sem motivo porque eu nunca fui.

      Excluir
  5. CORRA PARA AS COLINAS, eu diria o mesmo, em caps lock, gritando.
    Minha experiencia aqui foi em 2010 e já tô pensando pra qual colina vou correr agora em 2014.

    com o ps. que eu gosto de futebol.

    é pácabá, meu povo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. suerteeeeeeeeee! quero chorar porq não vou poder correr para las colinas!

      Excluir
  6. Sou fanática, meu namorado também. E o pior é que ele é bem aquele tipo de argentino típico: machista pra caramba! Quando começamos a namorar, ele me falava que não discutia futebol com mulher, que mulher não tem que gostar de futebol, etc etc. As argentinas são bem mais tranquilas nesse aspecto: eu podia fazer piada o quanto eu quisesse com o 4x0, elas ficavam caladinhas. Já os chicos... são muito fanáticos! Depois de um tempo de namoro, ele finalmente me achou digna de discutir futebol com ele... e com todos os seus amigos também! Ai fica aquilo, 5 moleques tentando argumentar comigo, que tenho 5 mundiais enquanto eles só tem 2, hahhahahahaha. Mas é esse o espirito, ano que vem, se prepara pra poder sambar na cara de todos os argentinos quando formos hexa! Um beijo, amo seu blog. Ri muito deles indo até sua casa fazendo piadinhas sobre o Brasil, hahahahahahahhaaah.

    ResponderExcluir
  7. ahhahahhahahh sempre rio muito por aqui, mas confesso que agora fiquei preocupada.

    ResponderExcluir
  8. Nossa Amanda, que tormento hahahahaha. Eu não aguentaria! Amo futebol,vou ao estádio e discuto na cara dura futebol com os caras! Seria mais comedida também, se estivesse aí, mas torceria muuuuito! Mas, acho engraçado essa rivalidade Brasil x Argentina, morro de vontade de assistir um jogo entre as duas seleções, com torcedores argentinos (e o Brasil ganhar, óbvio rsrs). O que vale, é a diversão. Como você bem falou, quem ganha dinheiro, não somos nós!
    Valeu a dica, nessa época, se já não ia pra Bue nesse período, não vou mesmo rsrs (só nesse:p)

    ResponderExcluir
  9. Em 2010 assisti um jogo de Brasil x argentina, placar 0x0, hahahha
    Como estava assistindo na casa do meu namorado, acho que o pessoal respeitou e não ficou zuando...
    Depois assistimos um de Brasil x uruguay (se nao me engano) e todo mundo torcia pelo brasil, e nesse dia o brasil ganhou. Foi a maior festa, regada a churrasco e vinho.
    Acho que depende do argentino, tem uma que são extremamente 'gil' hahah
    e outros que entram na brincadeira saudável... acho válido.
    Em 2014 vou esta morando aí, e acho que vou confeccionar uma camiseta meio a meio brasil x argentina hehehe mas pra torcer em casa, na rua acho perigoso rs
    E nada de bandeira na janela, valeu o aviso kkk
    E cuidado pra não te perseguirem de novo até sua casa hein kkkk tadinha.

    ResponderExcluir
  10. Ah! Que legal! Vou compartilhar a minha experiência de copa lá em BA!

    Quando meus pais avisaram que nos mudaríamos pra Buenos Aires, me pus a chorar. Como assim "abandone seus amigos e as brincadeiras na rua e vá morar na casa do seu maior inimigo"? Foi nessa linha o pensamento, guiado por inquietos chiliques dignos de óscar. Mas tão certo quanto nasce o Sol, uma criança não dá valor a grandes mudanças.

    Em 2000, nos mudamos. Seriam longos 5 anos por lá, a princípio, com possibilidade de extensão ao infinito e além. Ou seja: No mínimo uma copa lá. No máximo todas.

    Meados de 2002 e eu já tinha amigos. Minha irmã falava castelhano como uma porteña. Todos só falavam da copa, em castelhano, e a maldita Argentina tinha uma seleção dourada, enquanto que a brasileira estava cheia de dúvidas. Todo mundo tirava sarro. Tadinho do Ronaldo Fofômeno.
    Começa a copa com derrota da Argentina, e vitória do Brasil. Lá em casa era assim: nada de bandeiras penduradas, nada de festa, seríamos discretos.
    No terceiro e último jogo da etapa de grupos, a Argentina amarga um empate com a Inglaterra, que a tiraria da Copa. Quando o jogo acabou, as 03:00 da manhã, foi uma explosão de alegria lá em casa.
    - CHUPA ARGENTINA! - gritávamos pela janela. - VAMO BRASIL!
    Entre olelês e olalás, comemorávamos e ríamos enquanto as luzes das casas e apartamentos ao nosso redor se apagavam, aos poucos. Nem um A foi dito. A madrugada de festa em casa era contrastada pela tristeza das ruas. Tenho quase certeza de que ouvi uma televisão cair de algum prédio ali em volta.
    Na manhã seguinte, hora de ir pra escola. Com a incontestável alegria em minha face, vesti uma camisa do Manchester United por baixo do uniforme e fui. Todos tristes. Até que no intervalo, alguém me pergunta:
    - Que camisa é esta aí debaixo?
    - É de um time que eu gosto - respondi
    - Deixa a gente ver!
    - Okay - Falei com a tranquilidade de um monge. E VRUM.
    O vermelho inglês brilhou como um sol numa caverna de vampiros. Os argentinos se contorciam feito insetos envenenados, e suas peles apodreciam com a exposição da glória inglesa. Nesse momento, estufei o peito, pra provocar o maior dano possível ao meu inimigo. Sério e sereno por fora, mas rindo como o Bozo por dentro. Eu era o rei. Até que senti uma pontada na nuca.
    Ao tentar virar pra ver o que me acertou, sou avassalado por murros e pontapés de todos os lados. Não tinha uma criança naquele pátio que não aproveitou pra tirar uma casquinha. Me agachei feito uma tartaruga e esperei a tormenta passar. Fui linchado. Apanhei como nunca antes. Mas apanhei rindo.
    Quando tudo se acalmou, retomei o ar, levantei, abanei a roupa todas esticada (que de tanto puxarem, parecia mais uma toalha de mesa) e fui sorrindo pro meu lugar... Obviamente, tirei-a e voltei a conversar com meus amigos. Ficou tudo bem, visto que apanhei, e me aceitaram de volta na rodinha depois que guardei a toalha na mochila.
    Logo em seguida, o Brasil engrenou e acabou sendo campeão. Gritei muito também, e os 4 brasileiros da minha casa comemoraram na calada da noite. Fui parabenizado na escola (por que, mesmo?) e ficou tudo bem.
    Penduramos a bandeira do Brasil depois, na sacada, e ninguém jogou pedra. Futebol, quando os nervos se acalmam, é um esporte magnífico e promove boas histórias.

    Abraços,
    André Bernardi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CARA, SÓ FUI VER SEU COMENT AGORA. hahahahahah Ri tanto, mas taaaanto! Concordo contigo: futebol é o melhor esporte do mundo, magnífico e surpreendente como nenhum outro! Beijoss

      Excluir
  11. Ah, esqueci de algumas coisas:
    1 - Só tem um país que o argentino odeia (ou inveja) mais que o Brasil: a Inglaterra. Culpa das Malvinas (merece um post, se já não tiverem um)
    2 - Manchester United, meninas, é um clube da Inglaterra.
    3 - Na etapa seguinte, o Brasil enfrentou a Inglaterra no mata-mata. Na capa do maior jornal esportivo da Argentina (Olé), a manchete: ¿QUIÉN QUERES QUE PIERDA?
    4 - Amanda, você é bem bonita
    5 - Keep on rocking girls, ler sobre BA me ajuda a matar a saudade. Ganharam um leitor homem :)

    ResponderExcluir
  12. Amanda, agora eu vou te dizer uma coisa, pra Argentino que mora no Brasil é basicamente a mesma coisa!
    Quando era pequena, ouvi qualquer tipo e coisa, sabe como é, criança, colégio, um português sofrível, bulling, diziam que eu era um ET, de que o Pelé era melhor que o Maradona, que todos os Argentinos deviam morrer, pois só servem pra vir para as praias de Santa Catarina e sujar tudo , eu te juro, uma vez um menino me disse: MEU PAI DISSE QUE EU NAO DEVO ANDAR COM VOCÊ PORQUE ARGENTINO NÃO PRESTA!
    Naquela época eu chorava, questionava meus pais o porque morávamos aqui e queria voltar correndo pro colo de 'mi abu'! Mas o tempo passou, e mesmo eu odiando com todas as forças futebol, e não dando a mínima, ainda sofro em cada jogo, desligo o celular e dou risada de piada besta, porque infelizmente ninguém para no futebol, e acaba ofendendo mais do que imagina.
    Entendo teu lado, estando do lado de cá, e é um saco, nessa última copa, fui vestida de PRETO, no melhor estilo LUTO! HAHAHHA E ainda brinquei, só quero que o Brasil fique até a final, pq daí a gente é liberado do escritório, mas que óbvio, não ganhe, pq 5 títulos já é suficiente pro ego de vocês! AHHAHAHAH Se não fosse essa rivalidade besta, minha infância/adolescência teria sido mais feliz!

    ResponderExcluir

SUBIR
Buenos Aires para Chicas . Todos os direitos reservados. © Maira Gall .