Yo te Digo que se Siente

13 de jul de 2014

Acordei hoje cedo e me deparei logo que liguei o computador com uma publicação no Twitter do Guga Chacra (comentarista internacional do Estadão e do Globo News) que dizia:

"Governo argentino teme queda no turismo em Buenos Aires porque muitos brasileiros têm vergonha de ir à Argentina e serem zoados".

Prometi para mim mesma que não traria esse assunto ao blog porque ainda que o mesmo seja segmentado e não seja lido por um mar de gente, o que eu falo é levado em consideração para muitas pessoas. Mas diante disso eu resolvi emitir MINHA opinião baseado NO QUE EU vivi (e vivo) na cidade durante 3 copas aqui.


Quando criança eu realmente não me importava para futebol, nem quando Brasil perdeu para a França eu me importei muito. Peguei minhas bonecas e fui brincar e tentar animar o clima de funeral que havia no churrasco na casa dos meus tios. Sabia que aquilo não era comum e, sim, tinha flashes da Copa de 94 quando minha mãe, grávida da minha irmã até então, se ajoelhou na frente da TV da casa da minha avó com a Nossa Senhora Aparecida em mãos e vibrou tanto com a vitória que eu achei que a Heloisa iria nascer antes.

Enfim, eu não fui criada em um ambiente no qual se odiava o futebol argentino. Não fui mesmo, aliás eu não me importava quando eles jogavam e não me lembro na minha família de alguém torcendo contra.
Logo no primeiro ano aqui, aconteceu a Copa de 2006 na Alemanha, Brasil era a principal promessa por ter levado a de 2002. No colégio, eu ouvia uma tiração de sarro com fundo de inveja. "Porque Brasil siempre se gana todo", porque Brasil isso e aquilo outro. Eu nunca revidei nada, mesmo porque, para mim, era inútil brigar com pessoas dentro de sala que poderiam virar meus amigos. Eu ria, não tirava sarro e ficava por isso mesmo.

Até que a Copa de fato chegou. O colégio parou, foi colocado um telão imenso no pátio e todo mundo queria ver o jogo. Argentina ganhou todos os jogos da primeira fase, mas ouve um em especial que eu não me esqueço: eles ganharam por 6 gols de diferença. Suficiente para todo mundo achar que eles já tinham levado a Copa para casa. Nesse dia, precisei que meu pai fosse me buscar no colégio porque eu não conseguia escapar e ir para casa. Foram me seguindo por vários quarteirões cantando a mesmíssima música de hoje: Brasil, Decime que se Siente. Mas ao invés de "tener en tu casa a papá" era algo adaptado. Música que aliás, eu já ouvia nos confrontos entre colégios do mesmo bairro.


Fiquei com medo dos outros jogos que viriam e passei a ser meio excluída do grupo de amigos, só a angolana Pri que topava lanchar comigo. Chorava quase todos os dias. Frente à isso, eu passei a crer que essa rivalidade não poderia ser deixada de lado, e depois que Brasil foi eliminado, confesso que aliviei quando Argentina também foi.
Nos meses que se seguiram no colégio, minha irma novinha relatou episódios de discriminação e éramos várias vezes chamados de macacos por professores. Me ofereciam banana e eu, inocente, não entendia. Meus pais foram conversar e a palhaçada diminui, mas não acabou. Sempre que encontravam um jeito, falavam novamente. Ser chamado de macaco aqui não é preconceituoso, portanto não posso falar que era para nos tirar do sério, mas era algo que sim, nos tirava.

Diante disso, a feira internacional de países aconteceu na escola e minha mãe com as amigas dela resolveram mostrar que Brasil era dos melhores e fizemos maior festa, colégio pirou com o grupo de samba que levamos e depois só nos restou ouvir novamente aquela mesma coisa "Pero son tan alegres en Brasil, los queremos tanto".

Depois do Mundial de 2006 para 2010, eu estava mais preparada. Sabia como responder as ofensas com um simples 5x2. E levei mais na brincadeira, mesmo porque esse Mundial da África não alegrou muito os argentinos.

Mas esse no Brasil, ai rapaz... Começou cedo. Ofensas a mil, tiração de sarro levada fora dos estádios e eu só no unfollow e desfazendo amizades. Eu sou da opinião que só quem mora aqui que pode opinar, quem vem passar férias não tem muito porque opinar sobre a rivalidade porque não sentiu na pele e vive de fatos. Mas as pessoas são livres para falar o que quiser.

Se olho para os fatos posso afirmar sim que a publicidade brasileira tira mais sarro que a Argentina, que existem (ou existiam) mais brasileiros que não curtiam os hermanos que ao contrário e que de fato a mídia extrapola na rivalidade. Galvão Bueno falando que "é bom ganhar, mas ganhar da Argentina é melhor ainda" não ajuda muito e quem nasce sem essa rivalidade, logo a ganha.

E se eu paro para pensar de onde saiu tanta briguinha eu não sei explicar. Mas existe e é um fato e reina entre nós e atrapalha, principalmente, a vida de expatriados em ambos países. Vi muita gente compartilhando textos e mais textos no facebook dizendo que só os brasileiros que cutucam e que argentino não faz isso. Desculpa a sinceridade mas me parece hipocrisia isso, minha opinião. Argentino tampouco nunca foi santo para tal rivalidade, a diferença é que antes ninguém prestava atenção porque Argentina nunca foi foco de assuntos televisivos e se não fosse essa Copa na qual milhares de argentinos tiveram a possibilidade de invadir o Brasil, as pessoas não saberia dessa música "Brasil, Decime que se Siente" porque simplesmente não se interessam. Estou errada?

Aliás, se levo mais a fundo, comigo e com a minha família sempre foi ao contrário, sempre nos vinham atacar com a rivalidade. Eu não sou do perfil de gente que vai cutucar, só respondo se me ofendem caso contrário finjo que a Copa não existe quando falo com argentinos.

Mas, de novo, essa Copa vem sido minha pior fase aqui. Até ouvir que eu deveria voltar ao meus país de 7, eu ouvi. Que porque eu não torço para Argentina quando eu moro aqui. Ora gente, deixemos de ser bobos. A rivalidade que hoje eu levo comigo, muito ocasionada pelas más experiencias em outros Mundiais, é sadia e eu respeito meus amigos (coisa que eles não fizeram comigo nessa Copa, confesso), mas o fato de adorar a cidade não me obriga a torcer por eles, desculpa, ainda mais quando eu ouvi o que ouvi. Ainda que eu saiba que esses argentinos não representam a totalidade dos argentinos aqui, dói, viu? E bastante por sinal. E se eles me perguntam que se siente é isso: se siente pésimo y no lo deseo a nadie.

Nesse Mundial eu os notei muito mais ofensivos mas, na mesma moeda. Argentina x Irã: brasileiros com camisetas do Irã + argentinos cantando "Brasil, decime que se Siente". Ao contrário do que muitas pessoas vem falando de que Argentina está revidando, eu acho que os argentinos estão levando à luz de que sempre ouve, também, rivalidade aqui e que só agora vem sido conhecida.
A Banda de los Granaderos no dia Independência Argentina, 9 de julho, parou a apresentação oficial para cantar a musiquinha. A rede de celulares Movistar (como se fosse a VIVO no Brasil) disponibilizou grátis o download da mesma para ter como toque de celular, os cafés que eu mais adoro em BUE publicam em seus perfis do facebook a música que é para todo mundo aprender, os argentinos comemoram suas vitórias cantando a mesma, independente do oponente.

No Brasil, marcas de cervejas despacham argentinos para Buenos Aires, a mídia dedica páginas e se alegrava, até então em outros Mundiais, da derrota dos hermanos. Páginas e páginas no facebook dedicadas a torcer contra e a favor dos alemães (considerando a popularidade de Podolski, da compaixão por nós depois do desfecho trágico e do quanto eles nos fizeram ver que Brasil é bom pra caramba, cantando músicas do Bahia, socializando geral).

Eu acho que a mudança vem dos grandes, Neymar falando que torce por Messi e Mascherano é um balde de maturidade, que Mascherano e Aguero não souberam ter (digo isso porque quando ambos ficaram sabendo disso comentaram que não precisavam da torcida de fora e ironizaram o jogador brasileiro, assim não dá né gente? E o exemplo?). E não tem sido fácil. Não mesmo. E para quem perguntou, nesse jogo eu estou neutra. Tenho muitos amigos argentinos, mas eles não torcem para o Brasil, e o fato de morar aqui não me obriga a torcer para eles, os respeito e quero eles contentes. Mas também não posso torcer pra Alemanha, porque né... Não dá. Mas tenho amigos alemães que, diferentemente dos argentinos, vieram me consolar depois do jogo.

Enfim, poderia falar muitas outras coisas, mas meu desabafo é: ainda bem que hoje acaba. E para finalizar um recado, NO CASO de zoação (porque pode não haver), há inúmeras formas de revidar, mas a melhor delas é ignorar. E se há algo que nós temos de melhor é a felicidade e o sorriso, isso ainda é nosso. Olhem o que foi essa Copa. Ok? Beijocas e se precisarem de ajuda, estou por aqui.

25 comentários

  1. É a primeira vez que eu concordo com o que você fala dos argentinos. Moro aqui e é realmemte difícil, é a primeira vez aqui que tive vontade de voltar para o Brasil. Nunca sofri tanto aqui como nesa Copa. Realmente muit difícil. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Ainda bem que acaba hoje!!! Expatriado sofre!

    ResponderExcluir
  3. Fiquei bem triste com seu post, não imaginei que houvesse esse preconceito. força pra hoje ! Bju

    ResponderExcluir
  4. Tô indo em agosto.... e nem tinha pensado nisso, mas vou mesmo assim!!!

    ResponderExcluir
  5. Oi! Deve tá sendo uma barra... Vou pra Buenos em outubro e já estou preocupada com a zoação que posso sofrer também... Principalmente se a Argentina ganhar hoje! Acho que vou tomar a mesma postura que vc, levar na esportiva e ignorar...
    Inclusive, queria saber se vc poderia me dar umas dicas de hospedagem (de preferencia em Palermo, vou fazer uns cursos na UP), já estou procurando a certo tempo mas não encontrei ainda nada 'bom bonito e barato'. Cheguei a mandar um email pro seu contato pedindo um help, vou ficar até começo de janeiro, vou sozinha.

    Já agradeço e boa final hoje!

    ResponderExcluir
  6. Bem... ouvi um mané perguntar quanto custava a camisa do Brasil, se estava a 2,99... e a resposta foi incrível.... :- rapaz a camisa infelizmente tá o mesmo valor... um absurdo pois deveria ser a mais cara, pois mesmo não ganhando a copa é a única com 5 estrelas, sendo assim mesmo perdendo as últimas 3 copas nenhum país se igualou ao nosso...
    Pois é... se envergonhar de que?
    E quanto a música... Os Brasileiros já estamos respondendo a altura, confesso que um tanto agressivos... mas agressivo por agressivo tá tudo em casa
    Trecho da musica: - Argentina tem 2 copas, uma a menos que o Pelé... se vc é Argentino, então vá tomar no c... Argentina tem duas copas igualzinho ao Cafú... mil gols, mil gols, mil gols, mil gols, mil gols... so o Pelé... Maradona Cheirador... e se perder aí que os Brasileiros vão perturbar mesmo...

    ResponderExcluir
  7. Adorei seu post...
    Ainda bem que acaba hoje.
    Depois de 7 anos morando aqui eu nunca vivi tao a flor da pele esta rivalidade...ontem quando os argentinos comecaram a gritar os gols da holanda, saiu um choro de dentro de mim que acredito ter sido uma forma de descarregar toda essa violencia que eu vivi nos ultimos dias desde que comecou o mundial, foi ai que eu senti que nao dava pra torcer pra argentina mesmo que este seja meu segundo pais, foi ai que eu senti vontade de ir pro brasil mas logo num outro segundo me dei conta que isso nao ia mudar nada, porque a minha casa neste momento esta aqui e' por isso que vou ficar aqui ate' que cheguem as minhas proximas ferias e nao antes, nao voltar chorando pro colinho da mamae patria amada e adorada.
    Ainda bem que acaba hoje :)

    ResponderExcluir
  8. Amanda, chego em Buenos Aires em setembro e vou seguir seu conselho de ignorar qualquer provocação. Argentina é um país lindo e os brasileiros e argentinos devem saber separar rivalidades de futebol. Vai ser minha primeira viagem internacional e não vou deixar de conhecer Buenos Aires porquê o Brasil deu vexame nesta Copa. E que vença o melhor. Bjosss do Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  9. Poxa, Amanda, que chato! Eu torço pra Argentina desde pequena, mas estou longe de ser fanática. A Argentina não vinha jogando bem e o resultado era esperado. Acredito seriamente que quando se trata de futebol, todo mundo parece virar primatas que se atacam. Eu só sofri preconceito por conta das recepcionistas do hotel que fiquei, mas só. Tudo bem, não tem comparação os meus 15 dias com os seus 9 anos, mas não é por conta disso que eu não vou gostar daí. Por ser muito crítica em relação ao Brasil, sou atacada por n brasileiros que me dizem que eu deveria ir embora se não gosto daqui, como se fosse assim fácil, empacotar as malas e partir. A coisa que eu mais amo em estudar idiomas e culturas estrangeiras é esse expandir de horizontes que nos acontece, invariavelmente. Uma simples viagem interagindo com os locais te empresta novos óculos sobre hábitos,sabores, ritmos e tantas coisas que não entendo quem passa a vida toda sem viajar. Quem sabe, quando a rivalidade diminuir, as coisas não melhoram para ambos países? E troféu "expatriada" pra você, que apesar de tudo, montou um blog maravilhoso e fomenta o turismo daí. =)

    ResponderExcluir
  10. Oi Amanda, vc escreve muito bem e é bem articulada.. Mas gostaria de te fazer uma pergunta: vc não se cansa de ser humilhada por argentinos?! Pelo seu relato, vc parece ter sofrido muito preconceito e humilhação ao longo dos anos... Será que viver em Buenos Aires é tão melhor assim para compensar isso? As pessoas, a comida, enfim, tudo. Eu não quero que fique chateada com o meu comentário e por minhas perguntas retóricas, mas é que fiquei indignado em ouvir vc dizendo essas coisas. Eu não gosto de ver uma conterrânea minha ser maltratada e acuada assim por causa de besteiras, ainda mais vc que parece ser uma menina de bem com a vida, apesar de não conhecê-la pessoalmente. Existem muitos outros lugares legais no mundo.. Europa, Austrália, USA e até msm no nosso lindo Brasil! Volta pra tua casa menina =p Não se sinta brava ou invadida pelo meu comentário, pois,definitivamente, não foi minha intenção.
    Te desejo muita sorte na vida e felicidades!
    Um abraço!!

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Oi Amanda, sempre leio seu blog. Morei em Buenos Aires, e passei minha Copa de 2010 aí, não senti praticamente nada. Acho que ninguém deu muita bola pro Mundial da África. Dessa vez eu li tudo que pude ( Estou no Rio), e vi muita mais agressões por parte dos argentinos do que dos brasileiros, mas na rede social que ao vivo. Aqui no Rio parecia tudo bem, apesar de criticarem muito a maneira como eles "viviam" nas praias e no Sambódromo, sem dinheiro e até sem banho e comida, e levaram muitas multas devido ao "LixoZero" aqui na cidade. Mas a coisa foi aumentando e fui vendo xingamentos de amigos no meu face, depois do 7x1, argentinos que há tempos não teclavam comigo, recebi 5, 6 mensagens bem grosseiras, lia tb na linha de tempo deles, e mais quando o Brasil passou a torcer pela Alemanha ( isso aconteceu muito porque muitos brasileiros achou que a equipe da Alemanha, deu um aprendizado para o futebol brasileiro, despertando-o do ostracismo que vive e por outro lado, a equipe Alemanha tinha uma simpatia com o povo aqui, coisa que Messi e seus amigos não davam um sorriso se quer.) Depois começaram os xingamentos de macacos, negros e de que estavam torcendo pro time que os golpeou. Tiveram duas queixas de racismo aqui, vindo de Argentinos, mesmo send recebidos a pão de ló, como se diz. Se falou muito também da maneira como Tinelli mostrou quando Neymar se machucou, dizendo que faltaram com o respeito. Aí o negócio piorou aqui FATO! Aos amigos tentei explicar a eles, argentinos, mas nada adiantava. Eu estou voltando pra Argentina, pra morar agora no fim do ano, mas sinceramente, como trabalho com idioma português, estou com receios e medo mesmo de nem conseguir retornar o trabalho, porque até de amigos li coisas bem desagradáveis. Ia agora em agosto, mas preferi mudar para dezembro. O medo ainda segue, ainda mais com tudo que você relatou e hoje o Fantástico, tentou explicar essa rivalidade( já percebendo algo que há 24 anos não se via tão forte) e não se achou a reposta de verdade. Espero que as coisas melhorem. O que me causou indignação, foram pessoas que sempre vieram pro Brasil, sempre aproveitaram aqui e elogiaram e de repente do nada, sumiu. Sim, é um receio porque eu estive em dezembro aí e tinha percebido que o portenho estava bemmm mais amável e receptivo com os brasileiros, mas agora pode sim, diminuir o turismo. O que vc acha? Eles vão esquecer em 1 mês? Beijos desde do Rio! Danilo Marcks

    ResponderExcluir
  13. Olha Amanda, é duro mesmo... Argentinos parecem que esquecem tudo de legal que são quando se trata de futebol (principalmente seleções)!
    Eu amo futebol, todo mundo que me conhece um pouquinho sabe. Meus inúmeros amigos argentinos sabem. E sabe o que eu acho mais chato disso tudo? Argentinos adoram zoar os brasileiros e tal, mas são re calentones quando perdem e não aceitam zoação. Isso me deixa triste. Essa rivalidade futebolística, tinha tudo pra ser saudável quando, nos estádios e nas ruas (eu moro no Rio, imaginás...) eles cantam "decime que se siente" e a gente responde com "se vc é argentino, então me diz como é que é, ter apenas 2 Copas, 1 menos que o Pelé". Estaria tudo de boa. Mas argentinos, no futebol, não sabem perder. Não sabem reconhecer, por exemplo, que a Alemanha foi melhor ontem. Ainda acham que o juiz errou não marcando penalti e que eles foram injustiçados. Esse papo me cansa. Amo futebol, adoro meus amigos argentinos, mas odeio qnd eles esquecem a esportividade em casa. Por isso que eu torci tantooooo pra Alemanha ontem. Meus amigos argentinos não podiam acreditar que eu torci pra seleção que meteu 7 no Brasil. Sim, torci muito! Sabe pq?! Pq foi 7 mas poderia ter sido 15. Os alemães foram os campeões em simpatia e em abraçar o povo brasileiro, mesmo tendo massacrado o time em campo. Eles pediram DESCULPAS pela goleada. Eles foram fofos e agradeciam os incentivos que recebiam do povo na rua. Não tem como não torcer por eles. Ganhou o melhor futebol, a equipe mais coesa e os mais agradecidos. Futebol nem sempre é justo, mas, dessa vez, eu achei que foi! :-)

    Beijos e olha, se eles perguntarem que se siente pra vc, responda a eles que se siente bien con 5 estrellas en el pecho. :-)

    ResponderExcluir
  14. eu só tenho uma coisa a dizer a respeito disso: Triste.
    Não sei como começou, nem porque se perdura até hoje, mas é fato que ambas as nações tem tanto em comum para manter uma rivalidade tão doentia. Sério, eu estava torcendo para a Argentina mesmo antes do Brasil perder e quase fomos apedrejados no condomínio que moramos. Sério, parecia que estávamos torcendo para um inimigo de guerra. Agora entendo um pouco disso. Mas ainda acho que no Brasil há muita rivalidade sim! Pelo menos aqui em São Paulo, até se queimou bandeiras dos "hermanos".

    Você relatando esses acontecimentos aí do outro lado, só me faz ficar ainda mais triste. Caramba, somos países "irmãos". Partilhamos o mesmo continente e muitas semelhanças históricas, exploração e luta por uma independência e autonomia que ainda são tão necessárias. Uma copa aqui no nosso continente, tendo tantos times "irmãos" jogando com garra, com tantos problemas políticos, eu gostaria de ver maior unidade. Sei lá, não se trata "de defesa da América do sul" propriamente dito, mas é que somos um povo muito próximo né? Como diria o querido argentino "Ernesto", quanto mais se cruza as fronteiras da América, mas percebemos que somos um povo que partilha das mesmas coisas.

    Enfim, é muito triste ver isso. E é um pouco decepcionante perceber que a seleção argentina mesmo com tantas atitudes louváveis, tenha uma posição tão mesquinha as vezes. Ninguém é perfeito mesmo né? Mesmo assim, ainda a acho uma seleção mais merecedora de créditos que a do Brasil atualmente. Pois apesar de tudo, ainda representaram seu país de forma mais bonita, tanto no campo como fora dele.

    ResponderExcluir
  15. Parabéns pelo comentário Amanda! Eu sempre fui muito fã da Argentina, e como você passei a Copa de 2006 por aí, e eu era zoada pelos conhecidos e amigos a toda hora, desde essa época deixei de apoiar a Argentina no futebol, mesmo sendo muito fã do rock argentino e da cultura local! Achei muito imaturo tanto da parte dos jogadores quanto dos torcedores que invadiram as cidades brasileiras e não respeitavam em nada a população, eu fiquei chocada! O pior foram ter deixado a cidade igual a uma lixeira, além de picharem alguns dos pontos turísticos! Eu tenho vários amigos argentinos e fico triste com o comportamento deles, é verdade que dá muita raiva, eu sempre respeitei o lado deles e agora eles tiram sarro de tudo! É essa música aí e os 7x1! Bom, espero que você aguente bem as pontas aí e quando vier novamente a Inglaterra me avise, sempre acompanho o seu blog! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  16. Dê a Cesar o que é de Cesar. Na minha humilde opinião, a Alemanha sem sombra de dúvidas foi merecedora do título, não por ser adversária da Argentina. Mas, desde a goleada dos alemãos contra o Brasil de 7x1, eu fiquei tão chocada pelo ocorrido, tanto quanto fiquei surpresa com a educação dos mesmos, que, em vez de debocharem da situação, pareciam ter uma certa vergonha até de comemorar. Diferente dos torcedores citados no texto do post. Enfim, adorei o texto, Amanda.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. Se houver queda no turismo não será por vergonha dos brasileiros de serem zoados. Vai ser pela constatação de que não vale a pena visitar um país que tanto nos desrespeita. Falo por mim, moradora de Belo Horizonte, cidade que sediou vários jogos da Copa - um deles, infelizmente, da seleção argentina. Turistas de várias nacionalidades foram super bem recebidos pela população local. Houve confraternização, num verdadeiro espírito esportivo. Os argentinos, por sua vez (quase todos, mas não 100% deles), apesar de serem tratados com toda gentileza, quebraram as cadeiras do Mineirão, brigaram na Savassi, usaram as ruas como dormitório e banheiro, e, por onde passaram, provocaram os brasileiros, inclusive as crianças, com a musiquinha ridícula, com gritos ofensivos, num comportamento muito agressivo que extrapola a simples rivalidade do futebol, que deveria ser sadia, como tão bem demonstraram os alemães! Sempre fui fã do povo e do país, estive em Buenos Aires várias vezes, mas perdi completamente a vontade de voltar. A impressão que deixaram aqui foi a pior possível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alessandra, não acredito que para o turista brasileiro as coisas irão mudar. Este eu acho que continuará a ser muito bem recebido pelos argentinos, por questões de ordem econômica: a Argentina, ainda mais no estado em que se encontra, precisa demais dos nossos turistas, e os brasileiros são os líderes em turismo na Argentina. Não estão em posição de jogar fora essa fonte de renda. Um abraço.

      Excluir
    2. Nao é assim , sou brasileira moro em Baires ha menos de mes, e isso acontece no brasil tbm.. O povo ama tirar barato tbm.

      Excluir
  18. Olá Amandinha,
    Sigo o seu blog e gostaria de me manifestar a respeito deste assunto.
    Em primeiro lugar não ligue, sei que isto é difícil mesmo, principalmente porque você mora aí .
    Mas isto ocorre também aqui no Brasil, entre brasileiros, basta ver a violência nos estádios e tudo mais, entre torcidas rivais, seja no Paulistão ou no Brasileirão, moro a poucas quadras do Pacaembú e sei bem o que isso representa.
    O mesmo ocorre nas redes sociais, bloqueei muitos amigos e afins por conta destas besteiras, as pessoas se valem do futebol para demonstrarem a sua bestialidade oculta, além claro, das redes sociais, meio em que um reles e franzino garotinho pode se apresentar como um Hooligan, no caso específico ainda, temos o comportamento das massas, que sem dúvida alguma difere do comportamento dos cidadãos.
    A cultura futebolística é realmente o melhor terreno para isto, não deveria, mas no mundo todo é assim, Inglaterra, Itália, Argentina, até na politicamente correta Alemanha.
    O lance é não entrar neste tipo de discussão, não dar plateia para louco..evite este tema pois a maturidade da sociedade para estes assuntos não está totalmente desenvolvida, e esta explosão virulenta e frequente de agressividade funciona bem como uma catarse para uma sociedade que tem problemas gravíssimos e não sabem como reagir. Infelizmente é isso...abraço e continue seu trabalho que é ótimo !

    ResponderExcluir
  19. Me desculpa, mas eu preciso dar minha opiniao, eu sou argentina e moro no Brasil. Talvez porque nao sou de Buenos Aires, mas antes de vir ora cá, eu nem sabia que existia aquela rivalidade alem do futebol, e no meu primeiro dia aqui começaram a tirar sarro de mim, e agora na copa, muita gente deixou de falar comigo.
    Musiquinhas ridiculas existe de ambos lados, propagandas que tiram sarro aó existem aqui.
    Eu amo o Brasil, obviamente amo mais minha Argentina, e precisamos de ambos lados nos repeitar mais e obsevar tudo.

    ResponderExcluir
  20. Eu não sei como as pessoas podem se deixar levar por isso, essa rivalidade sempre vai existir independente de qualquer manifestação, brasileiros que vivem na Argentina vão estar sujeitos a isso, assim como argentinos que vivem no Brasil também. Agora o que não pode é eu deixar de viver a minha vida por causa de uma partida de futebol ou sei la qualquer outra coisa. Eu estive em Buenos Aires antes, ameii fui muito bem recebida, fiz muitos amigos e pretendo voltar logo se me pergutarem o que eu sinto? ou levou sete? sim levamos sete merecemos não jogamos nada fica pra próxima. Se eu vou deixar o meu gato argentino por causa da seleção brasileira fala sério!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. Amanda, quero te parabenizar pela coragem do teu relato, e digo coragem porque ele vai realmente contra a corrente. Também estou residindo em Buenos Aires neste momento (temporariamente de volta ao lar) e, embora não tenha sofrido nem perto do que você relatou sofrer (até porque minha situação é bem outra) , sei que a agressividade dos argentinos com relação aos brasileiros no campo futebolístico passou realmente dos limites. Impressionante o que você relatou ter sofrido no colégio, realmente incrível, e só discordo quando você diz que não é preconceituoso, afinal, os argentinos foram chamados exatamente disso pelos alemães na comemoração destes e quase armaram uma guerra. Mas fico mesmo surpreso com o que te aconteceu. Não consigo imaginar uma cena assim, e ainda mais repetidas vezes, num colégio brasileiro, ainda mais com os pais intervindo. Se tivesse acontecido comigo eu teria deixado o país na hora e faria um escândalo na imprensa brasileira sobre o que meus filhos passaram.

    Creio que relatos como o seu vêm mesmo desconstruir a imagem de que a rivalidade é só de um lado que muitos meios de comunicação brasileiros vêm fazendo, e que pra qualquer um que more na Argentina é ridícula, pois é totalmente mentirosa.

    Cito nominalmente aqui a jornalista da BBC Brasil, Márcia Carmo, que escreve artigos para os brasileiros informando que essa rivalidade é unilateral, que os brasileiros são malvados e preconceituosos e assim por diante. Li um artigo dela no "Clarin" dizendo que é tudo uma questão de "diferenças culturais" e que os brasileiros são mais sensíveis a provocações. Achei hilariante, pois minha experiência mostra justamente o contrário, que o argentino não aceita brincadeira alguma em que ele é o objeto. Como disse uma menina ali acima, "argentinos adoram zoar os brasileiros e tal, mas são re calentones quando perdem e não aceitam zoação". Já o brasileiro leva as coisas mais na esportiva, como os ingleses , outro povo que conheço bem e sabe brincar como poucos, embora com algumas diferenças.

    Nesse artigo ela dá como exemplo de que os brasileiros "não entendem" os argentinos a indignação ante os episódios de racismo - ora, e são episódios a serem desculpados? Devemos talvez aplaudir isso? Pessoas como a Márcia Carmo são as mesmas pessoas que ficam indignadas quanto o racismo vem de europeus, mas quando vem de um argentino (ou outro latinoamericano) elas dizem que não são relevantes.

    Enfim, jornalistas como ela (e outros) dão uma imagem cor-de-rosa e falsificada da Argentina, provavelmente pra atender seus próprios interesses (a Márcia Carmo é editora da versão em português do Clarin) e deixam o publico brasileiro sem a devida informação e ainda têm a CARA DE PAU de pôr a culpa nos brasileiros. Felizmente temos você e outros brasileiros com coragem para publicar o que ninguém mais publica. Sugiro inclusive (se tenho a liberdade de te sugerir algo) que escreva mais sobre essa questão, pois só vi até agora você com coragem para dizer as coisas claramente. Um fraternal abraço!

    ResponderExcluir
  23. Caracaaa to passando por isso, Se alguem me ver falar em portugues cantam essa musica, Tenho uns amigos argentinos no face e quando posto algo em portugues ( quase tudo) sempre comentam isso kkk mas to de boa. Ainda canto junto eu uma amiga nos cafés por ai. Haha bjos amanda to amando se blog, descubrir a dois dias e ja li mt coisa aqui

    ResponderExcluir

SUBIR
Buenos Aires para Chicas . Todos os direitos reservados. © Maira Gall .