Jornalismo Argentino

7 de out de 2013

Quando eu decidi fazer o blog, pensei logo que estaria criando um portfólio para futuros trabalhos. Eu sempre sonhei em ser jornalista e brincava disso quando tinha 6 anos de idade, acho que nunca tive boneca na vida.

Eu fiz um ano de jornalismo aqui na cidade e vou explicar porque deixei o curso: política. Oh, curso pra ser politizado aqui, fala sério. É muito raro você encontrar um curso que tenha jornalismo imparcial de pura informação, que era o que eu procurava. Até me lembro na facu que tinham professores contra ou não ao governo Kirchner e isso era motivo de ir bem ou não na prova quando a pergunta era opinativa. Juro que era cansativo, e a maiorias das facus ou são mais do bando pró ou contra governo que qualquer outra coisa e, bem ou mal, tu acaba tendo que tomar uma decisão ainda que não queira.

Eu fui me desgostando. Acabei saindo da faculdade e me engajando em outro curso. Mas sempre amei jornal e continuo amando. Aqui é normal:

- canais de televisão passando informação 24h, mesmo sendo repetidas as vezes, tipo CNN.
- os caras que apresentam jornais, em sua maioria, não são jornalistas. Maioria é advogado.
- o jornal aqui é puramente opinativo. Isso aí: cara fala a notícia emendada com a opinião pessoal sobre o assunto.
- tem medialunas e jugo de naranja na bancada do jornal da manhã.
- é muitoooooo mais informal, mas muito mesmo. Tu percebe isso desde a roupa que os caras colocam até no jeito de falar e no cabelo, of course.
- no âmbito impresso, os jornais claramente se fazem contra ou não o governo. No Brasil eu acho um pouco mais dissimulado, mas aqui fulano põe na capa a opinião. Quando houve conflito - e há ainda - com o jornal Clarín, só dava propaganda na televisão: governo atacando Clarín que atacava governo. Uma coisa doida.
- assim como há meios exagerados no Brasil aqui também tem. O Cronica é um deles.
- os dois jornais mais importantes a nível nacional são o Clarin e o La Nación.
- revistas, eu acho que há pouca variedade se comparamos ao Brasil.


E você me pergunta, o que eu tenho a ver com isso?
Na real é um post mais de desabafo. Fiquei 'sabendo' essa semana que uma menina x vem fazendo matérias muito parecidas ao blog no seu próprio blog local e publicando em revistas de difusão nacional, enormes daquelas que você gostaria de escrever. Sei que isso acontece em qualquer lugar, mas ô sensação de impotência que dá que pelo amor! Quando eu digo que eu criei o blog para portfólio era pra justamente poder escrever nesses meios, mas há tanta gente safada no mundo que nossa visão não consegue enxergar. Uma pena.

Nisso tudo passo a acreditar mais ainda que falta criatividade por aqui, o que eu sei que é meio controverso porque há inúmeras produções argentinas belíssimas e que são levadas ao Brasil. Mas fico de verdade triste, o mercado local (jornal, mais que nada) é um campo de trabalho difícil pra quem  quer arranjar algo aqui.

Entonces fica aqui um pedido: comentários cheios de amor pra eu começar a semana bem e fazer outros posts porque esse aqui é o único que eu tenho. Estou #chatiada com essa inspiração letal de criatividade que bloqueie a mente e não consigo pensar em nada. Fala aí: que posts vocês querem ver na 3ª, 4ª, 5ª e sexta!

Beijocas.

20 comentários

  1. QUALQUER POST que você escreve fica ótimo, então vai lá: escolhe qualquer tema. Hahaha. Sobre isso de Jornalismo, acho chato não ser imparcial :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VIctoria, nenhum jornal é imparcial, nem mesmo no Brasil. É melhor que os jornais sejam parciais e assumam isso, contrário do que acontece aqui, onde é dissimulado. Uma pena que a faculdade lá seja parcial TAMBÉM, isso sim é o contrário do que devia ser ensinado em uma faculdade de jornalismo.

      Excluir
  2. Infelizmente acho que é muito raro encontrarmos Jornalismo imparcial por aqui (ao menos BR) e, pelo visto, por aí também. Quando comecei a cursar jornalismo e fui aprendendo coisas, me decepcionei um pouco, mas ainda mantenho o sonho de entrar em algum veículo e conseguir seguir com meus valores também no trabalho. Achei excelente você fazer um post sobre o jornalismo daí, pois eu queria muito saber como era (sério! tava até tentando sondar uns argentinos no interpals pra descobrir, haha). Então: obrigada pelo post :P Sobre o "plágio" que você vem sofrendo, sinto muito. Não tem como você confrontar a pessoa ou algo assim? Espero que isso se ajeite. E faço das palavras da Victoria, as minhas: escolhe qualquer tema! hahaha. Recebo seus posts por e-mail, mas esse precisei vir comentar.

    Boa sorte e sucesso :)

    ResponderExcluir
  3. É, eu sinto um pouco da sua "dor" com o jornalismo daí. Eu gosto muito do jeito mais despojado dos telejornais e odeio muito que tudo tenha que ser levado pra política. O Clarin é exageradamene politizado. Qnd vou praí, normalmente compramos pra desajunar um exemplar do Clarin e um exemplar do Pagina 12 e é super engraçado como eles meio que se contradizem. Ou seja, se eu quero ler a notícia, pura e simples, não posso. Eu só leio opiniões. Ahhh, adoro o Cronica... rsrs! É tipo um Meia Hora argentino... O Cronica TV é um clássico! rsrs!

    E não desiste não! Força na peruca aí!

    beijos!

    ResponderExcluir
  4. Amanda, tem alguém plagiando o Buenos Aires para chicas? Vc não pode reivindicar a autoria?
    Que injustiça!! Lute pelo que é seu...

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu post, Amanda! Sou jornalista e gostei de saber essas curiosidades daí.
    Essas coisas acontecem, infelizmente. Acho que você deve entrar em contato com a pessoa que anda plagiando, nada mais justo, fazer ela passar vergonha, hahahhaa. E se estão copiando, é porque o conteúdo é ótimo! ;)
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Eu escolhi fazer Rádio e TV porque as séries argentinas me influenciaram muito, mas assim como você, eu descobri que é uma profissão ingrata, em que as pessoas pisam sem medo umas nas outras pra terem o que conseguem. Ainda me chateio muito pensando nisso, essa semana mesmo tá acontecendo um negócio do tipo, mas enfim, eu continuo atrás do que eu gosto. Hoje eu já não curto tanto o curso como quando eu entrei, mas sigo tocando os meus projetos, assim como você tem o blog e não deve deixar se abalar por isso, porque várias meninas valorizam o seu trabalho e toda a dedicação que você tem aqui. Você vai ter o seu reconhecimento, não tenha dúvidas e ainda vamos ouvir falar muito de você por aí! :)

    Sobre os posts, eu não sei se você já falou algo do tipo, porque conheci o blog há pouco tempo, mas eu AMO as sorveterias de Buenos Aires e gostaria muito de ver algo relacionado (e espero que o sorvete encha seu coração de luz) ♥

    ResponderExcluir
  7. Amanda, estou no penúltimo ano de Jornalismo na UFRN e vivo incertezas e inseguranças diariamente.
    Claro que cada realidade é distinta mas uma coisa é certa: jornalista é especialista em dar murro em ponta de faca. Tem muita gente boa fora do mercado. Tem muita gente mais ou menos dentro.
    No meu estado (RN) a maioria dos veículos de comunicação estão nas mãos de políticos, então, se você não tem um sobrenome conhecido ou muuuuuitos contatos, acaba nadando sempre contra a corrente.
    Entendi o que você quis dizer com "jornalismo imparcial" mas imparcialidade mesmo não existe. Por mais que você passe a informação de forma mais clara e próxima ao real, estas sempre serão recortes da realidade, interpretações suas sobre os fatos. Isso é percebido nas palavras que você escolhe e nas entrelinhas, mesmo que sua opinião não seja exposta de maneira clara.
    Mas, enfim, é isso. Também sigo nadando contra a corrente.
    Besos e Boa Sorte =)

    ResponderExcluir
  8. Oi, Amanda

    Estou sempre por aqui, mas não lembro se já comentei no blog ou não. De qualquer forma, sempre acompanho as postagens, são ótimas. Achei o de baladas gls sensacionais, porque nunca li sobre isso, e sempre vou nas daqui e estava preocupado (maior problema "classe média sofre", é verdade, mas estava realmente preocupado) de não ter nada parecido aí.

    Bom, eu estou terminando jornalismo agora e ano que vem mudo para Buenos Aires para ser jornalista (ou tentar, né). Na realidade, não sou muito preso à profissão; estudei isso, mas só quero trabalhar com algo que eu goste, pague minhas contas e me permita fazer umas viagens legais de vez em quando. Já estaria perfeito.

    Fui aí pela primeira vez em 2008, e desde então acompanho o que acontece na Argentina todo santo dia pelos jornais e canais de notícias. Também gosto do jeito mais informal dos canais de notícias (eu amo as medialunas e os sucos na bancada e o cabelo bastante diferente de um comentarista esportivo daí, super diferente do que se encontra aqui hahaha) e também acho que a questão da política é complicada. Há muitas semelhanças neste aspecto entre a imprensa argentina e a brasileira, no meu ponto de vista, no sentido de grandes meios serem contra o governo de esquerda, etc. A diferença é que aqui fica por isso mesmo, e aí a presidenta rebate as acusações e vira essa eterna briga (se é bom ou não ela criticar a imprensa publicamente, aí já vai da opinião de cada um, porque é uma questão polêmica).

    Mas isso de não serem jornalistas apresentando/trabalhando na pareça é meio complicado. Ok que é uma profissão que se aprende muito na prática, mas a faculdade é importante, senão acontece cada vez mais a desvalorização de uma profissão que, ao menos aqui (e imagino que aí também) se paga cada vez menos, tem vagas fechando e perde em qualidade de conteúdo.

    E sobre a cópia dos posts, como falaram aí em cima, o lado positivo é que o conteúdo é bom, mas é uma sacanagem mesmo, já que manter um blog (ainda mais toda hora atualizado, como o seu), dá um trabalho sem fim.

    Beijos,
    Fábio

    ResponderExcluir
  9. Então, o problema (ou não) é que "jornalismo imparcial de pura informação" não existe, hahaha. Na real é a primeira coisa que ensinam na faculdade de jornalismo (na que eu fiz, pelo menos, hihi). E, mesmo que você queira ir mais pro lado do jornalismo cultural do que pro político, tem que lidar com isso no curso mesmo, até pra conseguir ser mais crítica em relação à mídia e tal. Também não curto e queria morrer nesse tipo de aula, mas né, é a vida, hahaha.

    Agora, sobre a menina que te copia: dá a maior raiva do mundo ver gente mais ou menos sendo valorizada por um trabalho que a gente faz melhor (e além de tudo fez primeiro, no caso, haha!). Mas fica tranquila que você é diva e ela, PFFFF, aposto que não. <3

    ResponderExcluir
  10. Amanda, desde a primeira vez que vi seu blog me identifiquei muito com ele. Sempre acompanho suas postagens por meio do facebook. Amo saber essas particularidades de Buenos Aires vistas a partir dos olhos de uma brasileira. É como se seus olhos fossem os meus por aí.

    Não deve ser fácil ter ideias interessantes para escrever todos os dias. Por isso é uma sacanagem que publiquem as suas na grande mídia ou onde quer que seja, sem os devidos créditos.

    Gostaria que você falasse sobre o costume de ler dos argentinos. Isso tem diminuido? Que tipo de livro leem? Costumam ler livros exotéricos ou de espiritismo? Também tenho interesse em saber quais músicas (canciones) estão fazendo sucesso no momento e se as pessoas valorizam ou não essas músicas. Acho que qualquer coisa relacionada à música ou à literatura seria interessante.

    Agradeço sua boa vontade em compartilhar suas experiências.

    Um abraço,
    Glauce.

    ResponderExcluir
  11. Não desiste do jornalismo! é difícil mas mt prazeroso, e seu talento é nato, leitura q cativa é meio caminho andado! =)

    ó, q tal montar uma playlist p quem tá embarcando ? p entrar no clima da viagem?

    ah tb dicas de papelarias fofas, conhece alguma?

    ResponderExcluir
  12. Será que ainda dá tempo de sugerir? Bom, pensei em lugares confiáveis para se fazer depilação e como se chamam as partes do corpo que "sofrem" com ela (por ex. axila, buço etc), para gente saber como pedir. Para as pessoas que vão passar mais tempo em Bs As acho que seria algo interessante!
    Ahh, e quanto a essa pessoa que está te plagiando, tomara que ela leia esse seu post!

    ResponderExcluir
  13. Uma sugestão de post: a moda das portenhas...quanto ao plágio, só copiam o que é bom! O teu blog é tão bacana, que a falcatrua não consegue fazer algo à mesma altura!

    ResponderExcluir
  14. Uma sugestão de post: a moda das portenhas...quanto ao plágio, só copiam o que é bom! O teu blog é tão bacana, que a falcatrua não consegue fazer algo à mesma altura!

    ResponderExcluir
  15. Ai, é uma frustração enorme quando alguém toma crédito pelo nosso trabalho! Passei por isso recentemente, quando descobri que um post meu foi plagiado em outro blog de viagem...

    Não desiste de fazer contato com as revistas, você pode se apresentar e mostrar como o seu conteúdo é original e lindo = )
    Se quiser, posso tentar te ajudar com alguns contatos...

    Beijos e boa sorte!

    ResponderExcluir
  16. Seu trabalho é incrível, veja o plágio como admiração, pq cópia é sempre cópia....
    Quanto ao que eu quero ver, pegando a onda da moda no verão portenho, vou estar no fim do ano e gostaria de saber o que a brasileira pode e o que não pode vestir (inclusive em acessórios) em Buenos!!! O q cada peça nossa significa para eles ( posso imaginar que algumas, tenham o impacto diferente do que queremos... E o que vc leva do Brasil que suas amigas piram... tipo, quero muuuuuito! E seus amigos, pirammmm (tb do tipo quero muito, só que um pouco mais!! hahahah) Um beijo e muita força para enfrentar o povo macaco de imitação!

    ResponderExcluir
  17. Amanda, adorei esse post falando sobre o Jornalismo argentino. Sou estudante de Jornalismo aqui do Rio e penso em fazer algum intercâmbio ou curso de extensão na área de Jornal por aí. Bom saber melhor como as coisas funcionam aí na Argentina.

    Sobre o plágio, eu fico indignada com as pessoas que tem a capacidade de fazer qualquer tipo de cópia com o conteúdo alheio, é lamentável demais. Por mais que seja complicado, fique tranquila, você faz um trabalho ótimo e sincero, quando fazemos as coisas por nossa própria iniciativa e criatividade elas costumam render bons frutos. Mesmo que isso não seja de imediato, os benefícios chegam e nos fazem feliz.

    Beijos

    ResponderExcluir

SUBIR
Buenos Aires para Chicas . Todos os direitos reservados. © Maira Gall .